O velho casamento Nguni e a tradição do “Lobolo”

Ora, o presente texto pretende dar a conhecer o velho casamento dos Ngunis. Porém, para se falar do velho e tradicional casamento Nguni há que, em primeiro lugar, saber quem são os Ngunis,donde vieram, como e onde agora vivem.

Segundo alguns missionários, entre os quais A. T. Bryant1, os Ngunis, ou Vangunes como também eram conhecidos pelos antigos colonizadores portugueses seriam oriundos da região setentrional dos Grandes Lagos. Era uma numerosa etnia que se dedicava à pastorícia, sobretudo à criação de gado bovino e, por isso, estavam em constante busca de boas pastagens.

Foram emigrando para a zona do planalto ao sul do nosso continente, tendo-se estabelecido na África Austral há cerca de cinco séculos. Durante a sua lenta marcha migratória teriam incorporado muitas pessoas de outras etnias, sobretudo mulheres. Um dos grupos que atingiu a região do rio dos Elefantes deu origem aoshonga-Nguni. Isto quer dizer que os actuais Changanes e muitos outros Thongas da região sul de Moçambique são Ngunis de origem.

E agora, sem mais delongas, vamos ao tema deste trabalho. Como é que os velhos Ngunis se consorciavam? Como eram os costumes que possibilitavam e levavam ao matrimónio?

Num texto breve que se foi buscar à colecção “Memórias” do extinto Instituto de Investigação Científica de Moçambique, escrito pelo etnólogo português que viveu muitos anos em Moçambique, A. Rita-Ferreira,intitulado, precisamente, Etno-História e Cultura Tradicional do Grupo Angune (Nguni) há um capítulo interessante sobre o antigo casamento Nguni que mostra que o lobolo já vem de longe, e que o processo matrimonial em regiões
do interior continua semelhante em muitos aspectos mesmo nos dias de hoje. Recapitulemos o que diz Rita-Ferreia.

Leia mais na página seguinte

Comentários