Doenças relacionadas com o excesso de peso estão a matar pessoas não obesas

O alerta é de um estudo publicado na revista científica "New England Journal of Medicine". As descobertas revelam uma "crescente e perturbadora crise de saúde pública global", comentam os seus autores.

Dos 4 milhões de pessoas que morreram em 2015 por causa de patologias relacionadas com o excesso de peso, só 60% eram consideradas clinicamente obesas.

Um estudo revelado agora pela Universidade de Washington alerta que uma parte significativa dessas pessoas tinha um Índice de Massa Corporal (IMC) inferior a 30, o limiar a partir do qual a pessoa é considerada obesa.

"As pessoas que ignoram o ganho de peso colocam a sua saúde em risco", diz Christopher Murray, autor do estudo e diretor do Instituto de Métrica e Avaliação para a Saúde, da referida universidade norte-americana.

Por outro palavras, para este investigador, as pessoas devem passar a ter cuidado com os quilos a mais, mesmo quando não são consideradas obesas. "Aquelas resoluções mais ou menos sérias de Ano Novo para perder peso devem tornar-se compromissos para todo o ano", aconselha o cientista citado pela BBC.

O estudo, que analisou dados referentes a 195 países, diz que 30% da população mundial - ou 2,2 mil milhões de crianças e adultos - estão com excesso de peso. Para o investigador, a obesidade tornou-se numa epidemia mundial - a população de obesos duplicou em 70 países desde 1980.

Veja ainda: 25 truques inimagináveis para perder peso

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários