Nobel da Medicina distingue três norte-americanos que descobriram relógio interno do organismo

O prémio Nobel da Medicina foi hoje atribuído em conjunto aos investigadores norte-americanos Jeffrey C. Hall, Michael Rosbash e Michael W. Young pelas suas descobertas relativas ao mecanismos moleculares que controlam o ritmo circadiano nos organismos, vulgarmente conhecido por relógio biológico.

Os cientistas Jeffrey C. Hall, Michael Rosbash e Michael W. Young venceram esta segunda-feira o Prémio Nobel de Medicina "pelas descobertas dos mecanismos moleculares que controlam os ritmos circadianos", fenómenos biológicos que ocorrem ritmicamente a determinadas horas do dia e noite em animais, plantas e seres humanos.

"As suas descobertas permitem explicar a sincronização do ritmo biológico dos seres humanos, dos animais e das plantas com a Terra", anuncia a organização sueca. O trio irá repartir o prémio que tem o valor pecuniário de cerca de 934 mil euros, o equivalente a 9 milhões de coroas suecas.

Jeffrey C. Hall (Nova Iorque, 1945), Michael Rosbash (Kansas City, 1944) e Michael W. Young (Miami, 1949) usaram as moscas da fruta para isolar um gene que controla o ritmo biológico dos organismos. As suas investigações demonstram que este gene codifica uma proteína que se acumula nas células durante a noite e que se degrada durante o dia, explicou em conferência de imprensa Thomas Perlmann, secretário do comité Nobel do Instituto Karolinska de Estocolmo.

Segundo a instituição sueca, o "jet lag", a síndrome de mudança de fuso horário, mostra a importância do relógio interno na regulação dos níveis hormonais no organismo, assim como os seus efeitos no sono, temperatura corporal e metabolismo.

Robash é da Universidade Brandeis, Young da Universidade Rockefeller e Hall da Universidade do Maine, as três nos Estados Unidos.

No ano passado, o vencedor do prémio Nobel de Medicina foi o cientista japonês Yoshinori Ohsumi, que descobriu como funcionam os processos de reciclagem celular.

O comité Nobel começa a anunciar os vencedores dos seus galardões esta segunda-feira, em Estocolmo, com as expectativas em alta em relação à categoria "Paz", num contexto marcado por tensões entre os Estados Unidos e Coreia do Norte. O Nobel da Paz será divulgado no dia 6 de outubro.

Os prémios Nobel foram criados em 1901 pelo químico e industrial sueco Alfred Nobel. Além das cinco categorias sugeridas por Nobel - Medicina, Literatura, Paz, Física e Química -, em 1968 o Banco Central da Suécia acrescentou a área das Ciências Económicas.

A medalha e diploma serão entregues numa cerimónia em Estocolmo e Oslo a 10 de dezembro. Na quarta-feira, dia 4 de outubro, o comité Nobel anunciará o vencedor da categoria de Química.

artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários