Na era do #MeToo devemos ter relações sexuais no primeiro encontro? A pergunta foi o ponto de partida para um artigo de opinião publicado num jornal australiano, assinado por Thomas Mitchell. "Uma das coisas de que não me arrependo foi ter feito sexo com a mulher que, mais tarde, acabaria por ser a minha companheira", confidencia o cronista do The Sydney Morning Herald, que garante que a decisão foi tomada a dois.

"Apesar de vivermos na era da libertação sexual, o sexo no primeiro encontro continua a ter má reputação", considera, contudo, Thomas Mitchell. "Se estão num primeiro encontro e a química entre os dois vos leva em direção ao quarto, adiar [as relações sexuais] faz mais mal do que bem", defende. "Vivemos num mundo onde as pessoas são [atualmente] mais sexuais", afirma Nikki Goldstein, a sexóloga que o cronista cita.

"Se é uma pessoal sexual, e se a intimidade é importante para si, vai querer descobri-la o quanto antes", acrescenta, convicta, a especialista.

Na era do #MeToo, são poucos os que vão para um primeiro encontro às cegas. "As pessoas pesquisam. Se for preciso, andam às duas da manhã no Facebook, a ver que aspeto é que a pessoa com quem vão sair tinha em 2004", garante Thomas Mitchell, com base num estudo norte-americano.

"48% das mulheres e 38% dos homens fazem-no", assegura o cronista, com base nos números de 2017.  "As [nossas] decisões hoje tendem a ser mais ponderadas porque estudámos [previamente] as pessoas com quem vamos sair", constata Nikki Goldstein. "Se está num primeiro encontro e as coisas até estão a correr bem, e se sente que o sexo é o passo seguinte, não pense demasiado", aconselha a sexóloga australiana.

"A regra do sexo no terceiro encontro já era", garante o cronista. "Não há problema que a siga mas fazer disso uma regra não é fixe. Eu tenho amigas que quiseram ter relações sexuais no primeiro encontro mas não tiveram porque estavam condicionadas por esse tipo de crenças", afirma Nikki Goldstein, autora do livro especializado "Single but dating", "Solteira mas com encontros" em tradução literal.

Um outro estudo, divulgado em 2017, trouxe para a esfera pública um dado curioso. 25% dos homens acabou por fazer evoluir o que não passaria de uma relação de uma noite para uma relação para a vida. "O contacto físico acelera a ligação entre duas pessoas", garante a sexóloga. Se está em vias de ter um primeiro encontro e se sente que as coisas podem avançar rapidamente, veja a galeria de imagens que se segue e deixe-se ir...

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.