Vamos falar de sexo? Do bom. Daquele que pode ser ainda mais explorado e elevado a um patamar superior e que a psicóloga e coacher sexual Cristina Mira Santos chama de sexo gourmet. Preparado para saber os segredos mais bem guardados que vão revolucionar a sua intimidade? Muitas vezes se diz que o sexo é como as pizas. Mesmo quando não é grande coisa, é bom!

É assim que a especialista introduz a ideia de sexo gourmet. A sexualidade é cada vez mais uma prioridade na nossa existência e uma vida sexual ativa e saudável tornou-se parte integrante da lista de projetos pessoais de quase toda a gente. Sem qualquer pretensão de ser um manual, na medida em que não existe um passo a passo definido, o livro «O Melhor Sexo do Mundo» propõe transformar o sexo numa ferramenta.

Um instrumento eficaz de empoderamento pessoal, continuando a fazer o que já fazemos, mas de uma forma mais consciente e focada no aqui e no agora. Conversámos com a autora, que aponta caminhos a explorar para melhorar a sua sexualidade. «Se fizermos o que queremos e gostamos, quando queremos e com quem queremos, é muito provável que o nosso seja o melhor sexo do mundo», assegura.

O que é afinal o que chama no seu livro de sexo gourmet?

O sexo gourmet é aquele que é feito de corpo e alma. Quando damos atenção aos pormenores e, ao escolhemos criteriosamente cada detalhe do momento, a probabilidade de estarmos perante um encontro único é maior. Criar momentos únicos exige preparação. Saborear sexo gourmet implica tomar decisões e fazer escolhas. Nada pode ou deve ser deixado ao acaso. O requinte nesta situação traduz-se na capacidade de erotisar os parceiros.

O sexo, ao ser gourmet, pressupõe que todos os sentidos estejam em alerta e todos os receptores no nosso corpo acordem e contribuam para um concerto de sensações. Regra geral concentramo-nos no tato e nas sensações que chegam através do toque e, muitas vezes, nem nos damos conta da importância da audição ou do paladar no processo de excitação e, consequentemente, na sua capacidade de despertar a energia erótica, que é o garante do sexo de qualidade. 

Como o fazer na prática?

Alguns dos momentos mais importantes da nossa vida são formalizados com um ritual. Temos como exemplos o casamento, o final de curso ou, até mesmo, a canção e o bolo de velas, que são parte integrante de um ritual típico da comemoração de aniversário. O sexo gourmet, tal como outros momentos importantes da nossa vida, aconselha-se que seja ritualzado.

De forma complexa, cheio de fórmulas, símbolos e passos a seguir ou com a maior das simplicidades, é ao gosto de cada um. O que importa é criar o espaço e o tempo próprios para os seus intervenientes se entregarem e se renderem ao prazer. Estar presente no aqui e no agora, não é simples nem acontece sem que nos preparemos para isso. O ritual tem, entre outras funções, a de nos sintonizar connosco, com quem estamos e com o que estamos a fazer.

Celebrando o que une os intervenientes, ao ritualizar, estamos a repetir os gestos e palavras que simbolicamente nos unem aos parceiros. Mas se quer saber mais sobre o que é um ritual de amor erótico e a sua importância no sexo gourmet basta ler o livro «O Melhor Sexo do Mundo!» [risos]

Veja na página seguinte: O objetivo final deste livro

Diz que o enfoque do livro é filtrar toda a informação que existe sobre sexo, de forma a sabermos realmente o que serve cada um de nós.

Um dos objectivos deste livro é reunir num único lugar a informação indispensável para que o erotismo ganhe o papel de destaque que tem na sexualidade de qualidade. Não sendo um manual, tenta simplificar alguns conceitos que podem potenciar a expansão do prazer. Grande parte da informação contida no livro é do conhecimento geral, o que não quer dizer que tenha sido integrada na vida sexual de quem já a leu nalgum lugar.

Nem tudo o que lemos, temos ou devemos colocar em prática, nem na nossa vida sexual nem nas outras áreas da nossa vida. Há que ser exigente com a informação que nos chega e ter consciência de que nem sempre o que lemos tem qualidade ou se aplica a nós. No caso concreto da sexualidade, a situação é ainda mais delicada, pois os preconceitos e tabus estão por todo o lado para ajudar à festa.

Qual o objetivo final deste livro?

Quebrar crenças e tabus errados é um dos propósitos destes capítulos. Algumas das dicas deste livro são baseadas em conceitos da sabedoria ancestral, práticas xamanicas ou filosofias orientais. Para vivenciar o que é apresentado neste livro não é necessário transformar-se num monge ou yogi experiente, não precisa de mudar a sua alimentação ou seguir uma religião que lhe seja estranha.

Basta estar disponível para se entregar ao sexo de forma honesta e disponível para dar e receber prazer. Experimentar o que se sentir com coragem de experimentar e respeitar sempre os seus limites e os dos restantes intervenientes é a única condição para ser seguro desfrutar das propostas deste livro.

Apesar deste livro ser especialmente dirigido às mulheres que fazem amor, o objetivo final é o de potenciar o prazer do casal?

Na altura de tomar as decisões de base para este livro e tendo em conta que num só livro não se consegue chegar a todos os públicos e corresponder às necessidades/curiosidades de todos, foi necessário fazer opções e, sendo o trabalho com mulheres aquele em que tenho investindo mais tempo e pesquisa, considerei ser este o melhor caminho. Este livro é dirigido a mulheres que tenham uma vida sexual a sós e/ou com parceiros, sem descriminação de género.

Assim sendo, o livro contém informação que pode ser útil não só a mulheres, mas também a casais. Como os homens podem ser parceiros de quem lê o livro, é natural que também eles beneficiem de uma leitura atenta do que aqui se apresenta. É sempre uma boa oportunidade para recordar os seus conhecimentos sobre sexualidade, vistos numa perspectiva feminina.

Tendo em conta que ninguém nasce ensinado e que os meios pedagógicos nesta área, pelo menos no nosso país, são ainda muito precários, tudo o que podermos conhecer ou aprender para tornar ainda melhor a nossa sexualidade será sempre bem vindo. Cada um tem as suas preferências e gostos não se discutem. Não há verdades absolutas nem fórmulas mágicas para o melhor sexo do mundo, mas uma coisa é certa. Se fizermos o que queremos e gostamos, quando queremos e com quem queremos, é muito provável que o nosso seja o melhor sexo do mundo!

Veja na página seguinte: As oito regras que a especialista estabelece

As oito regras que a especialista estabelece

Cristina Mira Santos explica e resume cada um dos capítulos do seu livro:

1. O amor é um ritual

Ao ritualizar o ato de fazer amor estamos a permitir criar o espaço e o tempo para cada um dos intervenientes se sintonizar consigo, com o parceiro e com o que está a fazer. Gestos, símbolos e palavras marcam o momento.

2. A sua relação com o seu corpo, o erotismo e a sexualidade

Conhecer-se, saber-se o que se gosta e, principalmente, amar quem somos é uma excelente plataforma para saber receber prazer e entregar-se sem reservas.

3. Vamos lá decidir

Boas escolhas, regra geral, manifestam boas concretizações e no sexo gourmet nada pode ser deixado ao acaso.

4. Menos conversa, mais ação

Neste ponto explico a parte prática, mas sexo gourmet implica sempre muita conversa, mesmo que não seja durante, pelo menos antes do ato. Pode chamar-se um passar à ação. Está na altura de experimentar. Testar o que quer que seja é a palavra de ordem. Sem medos nem tabus. Assumir o que se quer e verbalizar o que se deseja e, caso estejam de comum acordo, passar à ação.

5. De corpo e alma

Não basta envolver o corpo no seu encontro sexual, é necessário convidar também o corpo emocional e o corpo energético. Ser e estar entregue e render-se ao prazer tem de ser um trabalho conjunto de todas as nossas facetas.

6. Corpo a corpo

Se todo o trabalho anterior correr bem é suposto a energia erótica estar bem ativada e os parceiros estarem preparados para o sexo que já conhecem, mas, agora, com resultados surpreendentes. Se o erotismo tiver sido levado ao rubro as garantias de expansão do prazer orgâsmico são muito maiores.

7. Pela saúde do sexo

Muito há a fazer pelo corpo e pelos genitais em particular, no sentido de o preparar para o sexo de excelência. Desde os cuidados de higiene até ao exercício da musculatura pélvica, tudo é possível.

8. Há vida para lá do clímax

O modo como acaba uma interação sexual pode deitar por terra tudo o que aconteceu até ao momento. Exemplo disso, estão as situações onde o sexo acaba de forma abrupta e quase em passo de corrida, como quem foge do cenário. Há que manter o momento de intimidade. Até o corpo abrandar, e mais importante do que isso, é mostrar gratidão ao parceiro que nos acompanhou no momento e ao nosso corpo que nos permitiu vivenciar uma sensação mais ou menos intensa, mas sempre única.

Texto: Joana Brito

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.