A postura, pode ser definida como a posição ou atitude corporal para a realização de uma atividade específica. Uma das formas mais adequadas de diminuir lesões e de evitar dores crónicas é procurar uma boa postura, desde criança. Quem não se lembra dos nossos pais a dizer repetidamente “senta-te direito”?

As estruturas anatómicas da criança encontram-se em formação, sendo os seus ossos, músculos e ligamentos mais flexíveis e por conseguinte, mais deformáveis. À medida que as crianças crescem, a sua postura pode sofrer alterações consideráveis, quando sujeitas a um stress excessivo proveniente de posturas incorretas.

O desenvolvimento motor é um processo sequencial, contínuo e relacionado á idade cronológica, pelo qual o ser humano adquire uma enorme quantidade de habilidades motoras.

Qualquer atividade, como o brincar, cria a capacidade da criança aprender e o ambiente em que ocorre, deve ser propício para uma aprendizagem adequada. Neste processo contínuo, deve-se incentivar a criança a assumir uma postura correta.

Será a posição de sentar em “W” aconselhada às crianças?

Não! A posição de sentar em “W” (w-sit) refere-se a uma postura que é assumida quando a criança se senta no chão, com as pernas posicionadas no formato de um “w”.

Esta é uma das posições que a criança pode assumir quando está a brincar sentada. O problema não é a criança brincar, como todos facilmente conseguimos perceber. O problema é que a posição é tão estável, que esta não necessita de realizar rotações de tronco e transferência de peso do seu corpo, durante as suas atividades lúdicas, não fortalecendo os diversos grupos musculares.

O equilíbrio não vai melhorar de um dia para o outro, se os estímulos não forem suficientemente desafiantes. Uma criança pode escolher sentar-se em “w” para não ter de se preocupar com o equilíbrio, enquanto disfruta dos seus brinquedos. Para além disso, com esta posição mantida por longos períodos de tempo, há possíveis problemas ortopédicos associados, nomeadamente ao nível da anca, por encurtamentos musculares.

Para a anca se desenvolver corretamente, é necessário que o fémur esteja encaixado no acetábulo e quando isto não acontece, a situação evolui para uma anca instável.

Existem alterações que se mantêm ao longo do tempo e que podem resultar num impacto negativo na qualidade de vida quer durante a infância, quer na idade adulta, provocando muitas vezes sintomatologia de dor. Agora a questão é perceber o que se deve fazer nestas situações.

A mais fácil e preventida, é evitar que se torne um hábito esta posição. Orientações simples a explicar outras posições de sentado (como a posição de pernas cruzadas) e comandos verbais sugestivos podem ser estratégias eficazes. Como são vários os problemas relacionados a uma má postura, a melhor solução é adquirir hábitos posturais saudáveis desde criança, de maneira a evitar futuras patologias e alterações estruturais.

Os pais/educadores devem ser alertados para as disfunções ortopédicas advindas das alterações posturais, já que têm um papel fundamental em todo o processo de aprendizagem.

Os conselhos são do fisioterapeuta Sérgio Nuno.