Um bom pequeno almoço é fundamental para a saúde física e mental de qualquer criança. Por ser uma das principais refeições do dia deve respeitar algumas regras, embora se saiba que o período da manhã é sempre turbulento para os adultos – a pressa é geradora de ansiedade e leva a cometer alguns erros. Porém, a existir, este descuido com a alimentação dos seus filhos deve ser corrigido o mais depressa possível. Lembre-se que doces e alimentos processados devem ser evitados e que o pequeno almoço tem de se adaptar à faixa etária de cada miúdo.

O jornal ABC foi ouvir dois especialistas (a professora de Estudos em Ciências da Saúde, Anna Bach, e uma responsável pelo Conselho de Alimentação e Nutrição do Colégio de Farmacêuticos de Barcelona, Esther Calsina) que responderam às maiores dúvidas dos pais sobre este assunto e apontaram os grandes erros que se cometem na primeira refeição do dia.

Quais as funções do pequeno almoço para uma criança?
Repõe os níveis de energia gasta durante a noite; estimula o metabolismo, provocando um aumento do consumo de energia; melhora o rendimento cognitivo e a concentração; evita a sensação de fraqueza e um cansaço inusitado; ajuda a controlar o apetite para o almoço; contribui para a prática de uma alimentação mais saudável e equilibrada ao longo de todo o dia.

O que devem as crianças comer ao pequeno-almoço?
Por ser uma das principais refeições do dia, a sua omissão ou deficiência pode ter impacto nas atividades físicas e intelectuais dos jovens, como diminuição da atenção e desempenho escolar. As crianças devem começar o dia com uma refeição rica os laticínios, cereais e fruta. Os laticínios são fundamentais para o crescimento ósseo, as frutas regulam e ativam as funções vitais e os cereais dão energia e melhoram as defesas. Passar o período da manhã sem comer pode provocar hipoglicemia, baixa de açúcar no sangue, e, em situações mais graves, levar à inconsciência.

A meio da manhã e da tarde, o que devem as crianças comer?
A meio da tarde sugere-se uma sanduíche – especialmente se a criança praticar desporto – um iogurte ou leite acompanhado de fruta ou apenas algumas tostas. A fruta é necessária, mas o facto de ser rapidamente absorvida não faz dela a melhor opção quando a criança vai praticar uma atividade física. O lanche é decisivo no fornecimento de energia para o resto da tarde, que é muitas vezes dedicado ao estudo e às atividades extracurriculares (atividade física ou intelectual). Nunca se deve permitir que a criança chegue ao jantar com uma fome desmedida.Este lanche deve representar uma das 5 refeições e contemplar 15 a 20% da ingestão diária de nutrientes.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.