Conheceram-se no Desportivo quando ainda se jogava bilhares, há sensivelmente 12 anos. Na altura, muita gente se concentrava em pequenos grupos para um passatempo recreativo, ao mesmo tempo que se deliciavam com as irresistíveis tentações da cervejinha servida à caneca no improvisado bar ali instalado.

Como o velho ditado reza, “ao destino não se foge”.E Fátima, que se integrara no grupo recentemente, não fazia a mínima ideia que por ali e àquela hora o Cupido Verde com a flecha bem afiada e apontada tomava-a por alvo.

O olhar de Rogério sobre Fátima, tão penetrante quanto o de um lince, despertou a atenção do grupo e deu azo a que este conspirasse a favor do coração despedaçado do pobre apaixonado. Assim, na hora, foi introduzida uma brincadeirinha tipo concurso, que consistiu em desafiar os presentes a consumir a cerveja de um trago, sendo que quem ganhasse iria beijar a recém-chegada moça (a Fátima), bastando para o efeito que acabasse primeiro a sua caneca.

Intencionalmente, o resto do grupo atrasou-se, dando primazia ao apaixonado, que não se fez de rogado e arrecadou o prémio catalítico de um romance que perdura há mais de 12 anos.
É, para nós, um caso merecedor de atenção, pelo facto deste namoro ter iniciado naquilo que chamaríamos de simples brincadeira de bar e o impulso que a acção do grupo teve. Portanto, aqui fica a ideia: em qualquer ambiente podem-se desenvolver relações amorosas duradoiras desde que os corações dos intervenientes estejam em consonância.

Fátima e Rogério casaram-se recentemente, são pais de um menino de 8 anos, Ezan, e o outro está a caminho. Ela é formada em Farmácia e é supervisora e colaboradora de farmácias e ele é estudante do curso de Gestão de Empresas e actualmente trabalha em planificação e estatística.

Desejamos felicidades ao par.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.