1. O Lift Cervico-Facial acaba com todas as rugas da face?

Claro que não! Primeiro é importante perceber que um Lift Cervico-Facial trabalha fundamentalmente o terço inferior da face e o pescoço. É nestas regiões que a sua ação vai ser mais evidente: recriar o ângulo perdido do pescoço, eliminar a “papada” e melhorar as linhas de “marionete”. Durante o processo de envelhecimento não só acumulamos pele como também perdemos volume. E a região mais central da face é que mais sofre com essa perda. Durante a cirurgia é aplicada gordura que vai restaurar a harmonia nesta região, atenuando as rugas. Por fim, para tratar aquelas áreas mais difíceis, junto à boca e aos olhos, é comum o recurso aos lasers ou aos peelings que também são ferramentas importantes no rejuvenescimento facial e que se podem perfeitamente, combinar com o lift.

2. Quais as queixas mais comuns depois de uma cirurgia como esta?

As queixas mais comuns depois desta intervenção são o “inchaço”, a dormência e o endurecimento das regiões operadas. O “inchaço” é mais importante nas primeiras 2 semanas, depois diminui drasticamente, principalmente fizer drenagem linfática manual. A dormência vai ser útil numa primeira fase, uma vez que não vai sentir qualquer dor e aos poucos vai melhorando. As zonas duras que se vão sentir no pescoço principalmente e noutras regiões da face são uma preocupação frequente a partir das 3 semanas de pós-operatório. É mesmo assim! Faz parte da recuperação.

3. Um Lift Cervico-Facial exige um período de paragem?

A fase de convalescença é crucial. Se tudo for bem planeado e cumprido é provável que a recuperação seja mais célere e livre de intercorrências. No pós-operatório de um Lift Cervico-Facial a aspirina e os anti-inflamatórios são proibidos (salvo indicação médica contrária) e a paciente deve estar tranquila (nada de batimentos cardíacos acima dos 100 bpm nos primeiros 10 dias) – tudo para impedir que uma pequena hemorragia aconteça, que “o inchaço” aumente ou que se agravem as nódoas negras! É importante manter a cabeça elevada e não praticar desporto durante as primeiras 3 a 4 semanas.

4. O cabelo pode cair e ficar mais fraco

Depois da cirurgia, a paciente terá de esperar pelo menos um dia antes de lavar o cabelo e pelo menos 4 a 6 semanas antes de um “hairstyling”. É natural que comece a cair cabelo: essa perda é temporária e próxima das cicatrizes, nas têmporas. Um conselho prático: um corte radical, uma mudança de visual planeada para o pré-operatório torna o resultado do lift muito mais fácil de assimilar!

5. Porque existem tantos estigmas em torno do Lift Cervico-Facial?

O Lift Cervico-Facial é uma cirurgia complexa, minuciosa e rodeada por grande expectativa e ansiedade. O objetivo de qualquer Lift Cervico-Facial que se pretenda natural é uma aparência melhorada, menos fatigada, mais luminosa, sem distorções ou evidencias de uma cirurgia (cicatrizes alargadas, orelhas mal posicionadas, pele demasiado esticada), mantendo a mesma expressão, a mesma identidade (isso é fundamental) mas com um aspeto mais relaxado.

Acima de tudo, a paciente deve sentir-se segura com a (o) cirurgiã(o) que escolheu e sobretudo deve confiar tranquilamente. É muito importante a relação de empatia e confiança, sobretudo no âmbito de uma cirurgia tão delicada. Ficar desfigurada é um grande receio, mas deixar de se conseguir identificar consigo própria é a inquietação mais comum. Nada disso é sinónimo de um Lift Cervico-Facial. Esta cirurgia, tal como o nome indica, vai ter como principal objetivo reposicionar os tecidos faciais e cervicais que “caíram” com o tempo e melhorar ou atrasar os estigmas do envelhecimento.

6. O Lift Cervico-Facial não é doloroso?

O Lift Cervico-Facial, em regra, não dói no pós-operatório. Muito do tecido facial e do pescoço fica, como é habitual dizer-se, “encortiçado” ou dormente, o que alivia muito a dor que poderia estar associada a esta intervenção. A sensação mais desagradável associa-se ao “inchaço” que decorre da cirurgia. Toda a face, principalmente as áreas de pele mais fina e complacente como as pálpebras, ficam muito congestionadas com a acumulação de líquido.

7. Quanto tempo dura um Lift Cervico-Facial?

A questão deve ser antes, quanto pode rejuvenescer um Lift Cervico-Facial? Há 3 ou 3 fatores primordiais que afetam esta resposta: o tabagismo, a qualidade da pele e a idade.

Uma paciente não fumadora, com bom tónus cutâneo que se submeteu a uma intervenção cirúrgica à face e ao pescoço entre os 45 e os 50 anos pode rejuvenescer entre os 7 e os 10 anos. A cirurgia realizada numa idade jovem permite apagar o inicio dos estigmas do envelhecimento e atrasá-los, assim, em qualquer momento no tempo a aparência será sempre mais jovem não condizendo com a idade real. O que há a fazer depois da cirurgia, é manter o resultado, recorrendo maioritariamente a técnicas não invasivas.

Mas, esta cirurgia - perguntam muitas pacientes candidatas a um Lift – terá mesmo de acontecer numa idade ainda tão jovem? Não. Este planeamento garante o melhor dos resultados, porém, nem todas as pacientes têm esse objetivo. Restabelecer a harmonia no rosto, uma aparência menos cansada, sempre natural é o propósito principal. Quando fazemos a “pausa” no relógio e o trazemos um pouco atrás, depende muito de cada um. Sentir-se bem com a idade e com a aparência é o essencial.

8. É frequente usar-se gordura num Lift Facial?

Cada vez mais. Tal como foi anteriormente referido, o envelhecimento corresponde não só à queda de tecidos mas também à perda de volume, por isso, a gordura da própria paciente é uma solução excelente para restituir o volume nas áreas deficitárias e assim contribuir para um aspeto mais jovem e saudável.

9. O estado emocional é importante quando se planeia um Lift Cervico-Facial?

O estado emocional é fundamental. A paciente deve sentir-se bem consigo própria antes da intervenção. A cirurgia deve surgir, naturalmente, como um perpetuar dessa tendência, isto é, continuar a sentir-se bem consigo mesma, cada vez melhor. Sentir que esta a cuidar de si própria, para si própria. Recorrer a um Lift Cervico-Facial para superar uma fase difícil da vida (uma perda, o final de um relacionamento, um despedimento no emprego) não é de todo o aconselhado, porque não vai ser certamente, a solução.

10. Pode acontecer uma cirurgia de revisão?

Uma cirurgia de revisão pode acontecer sempre, na sequência de qualquer intervenção cirúrgica. Pequenos pormenores (ligeira assimetria, um pequeno excesso de pele) podem sempre requerer alguma correção adicional embora, uma reintervenção não seja a regra.

Os esclarecimentos são da médica Ana Silva Guerra, especialista em Cirurgia Plástica e Reconstrutiva.