A fotodepilação é um dos procedimentos medico-estéticos mais realizados a nível mundial. Sendo a remoção de pelo indesejado de forma permanente um tratamento muito procurado, existe muita informação e muitos mitos associados que procuraremos confirmar ou desmistificar.

Fotodepilação e depilação a laser não são a mesma coisa. Mito.

A fotodepilação é feita com IPL (luz pulsada) e assim como a depilação a laser. Fotodepilação refere-se àquela realizada com um dispositivo à base de luz e quer o IPL quer o laser usam a luz para depilar.

A fotodepilação é definitiva. Mito.

O ser humano tem folículos de pelo imaturos que, até que se desenvolvam e o pelo nasça, não são susceptíveis à luz usada para depilar. Por isso, mesmo completando um ciclo de fotodepilação, serão necessárias sessões de manutenção por norma anuais para eliminar os pelos que vão nascendo de novo. O termo adequado será depilação permanente.

Fala-se muito no laser de díodo para como mais eficaz para depilação. Mito.

Segundo os estudos, o laser com maior eficácia e segurança para peles claras é o alexandrite e para peles escuras o Nd:YAG. O laser de díodo pode ser eficaz, mas tem várias variáveis a serem consideradas. Em mais de 90% dos lasers de díodo disponíveis em Portugal, estes são de origem oriental (chinesa, portanto mais baratos), sem controlo na qualidade e quantidade de energia que entregam à pele. Isto acarreta o risco de queimaduras e manchas, para além da sua ineficácia, podendo levar inclusive ao aparecimento de mais pelo.

Tenho que fazer sessões mensais em qualquer zona do corpo. Mito.

O intervalo entre sessões depende da duração do ciclo do pelo, que também depende da zona do corpo. Para face, os intervalos médios são de 4 semanas, axila e virilha 4 a 6 semanas, o restante 8 a 12 semanas entre sessões, sendo que existe uma variação individual e a sessão só deverá ser realizada quando houver pelo para depilar.

Alguns conselhos

Procure saber a marca do equipamento com que vai ser submetido à depilação e a formação do técnico executor. Valide a marca do equipamento, procurando mais informações sobre o mesmo.

Valorize mais esta informação que o preço da sessão. Lembre-se que o equipamento e a formação do técnico têm custos e que tal se vai refletir no preço final. E lembre-se que a sua saúde não tem preço. Invista numa depilação eficaz e de segurança.

Um artigo do médico Pedro Alberto Santos, especializado em Medicina Estética e Laser.