Símbolo de feminilidade, beleza e alvo de admiração, os seios são constituídos essencialmente por tecido adiposo e glândula mamária.

Ao longo da vida a sua aparência pode ser ameaçada por vários factores como a gravidez, a amamentação, as oscilações de peso, a acção dos raios solares e o próprio envelhecimento.

A pele é elástica mas perde tonicidade com o passar do tempo, por isso, merece uma atenção especial. O pior receio é a flacidez. Com o passar dos anos a pele vai perdendo firmeza.

Se juntarmos a este facto a herança genética, o tipo de pele (a seca tende a sofrer mais) e o tamanho do peito, estamos perante uma luta constante contra a gravidade. Mas há formas de minimizar os danos. Existem inúmeros cremes, cujas fórmulas avançadas ajudam a combater a flacidez, assim como técnicas de massagem que pode fazer para optimizar os resultados.

Manter um peso equilibrado é outra das medidas a seguir, pois as alterações súbitas também podem ter consequências negativas no peito. Uma solução para casos mais graves é a cirurgia para subir o peito, denominada mastopexia, que custa cerca de quatro mil euros.

Fases críticas

Na vida de uma mulher, há dois momentos que requerem atenção redobrada: a gravidez e a amamentação. É neste período que a glândula mamária sofre um estímulo hormonal e aumenta substancialmente de volume.

Daí ser vital manter o peito sempre hidratado para compensar as alterações e prevenir estrias. «Deve-se usar um creme muito gordo, espesso, quase uma pomada», aconselha Fernando Guerra, dermatologista, referindo que «na amamentação é especialmente importante cuidar dos mamilos para não fissurarem».

Para ultrapassar esta fase sem sequelas, deve ainda usar um soutien especial para a gravidez ou amamentação, com um bom suporte.

As temidas estrias

As estrias são a rotura das fibras elásticas da pele. «Geralmente surgem quando há um crescimento muito rápido, a pele não o acompanha e acaba por estalar», explica Fernando Guerra. Mas é possível evitá-las, se começar cedo.

A hidratação na zona do peito deve iniciar-se na puberdade. Uma vez estabelecidas, as estrias não desaparecem, pelo menos, não completamente. «Se forem recentes e ainda estiverem encarnadas, há tratamentos a laser que melhoram o seu aspecto, como o laser pulsado de contraste», afirma Fernando Guerra.

Se forem mais antigas a radiofrequência pode dar uma ajuda. Na opinião de Joaquim Seixas Martins, cirurgião plástico, «a estria é como uma cicatriz interna e não há nada que a consiga tirar.

A única forma de eliminá-la totalmente é tirar a pele onde está localizada. Por exemplo, numa redução mamária, tira-se a parte da pele onde há muitas estrias».

Veja na página seguinte: O tamanho ideal

O tamanho ideal

O aumento do peito, com próteses mamárias, é a cirurgia estética mais comum.

Hoje em dia, as próteses de silicone coesivo são as mais usadas e, segundo Joaquim Seixas Martins, as mais seguras.

A técnica que consiste em colocar a prótese debaixo da pele é aquela «que as pessoas preferem porque é menos dolorosa no pós-operatório, mas é menos natural», alerta o cirurgião plástico, exemplificando: «As próteses tornam-se visíveis na parte superior do peito».

«Se forem redondas ainda se vêem mais porque a parte mais projectada da prótese é a do meio, o que não corresponde à realidade. Numa mama natural, a zona mais projectada é o terço inferior», refere ainda.

Texto: Raquel Amaral

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.