Os números são alarmantes e chegam-nos do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). De acordo com estimativas desta entidade, criada nos anos de 1970, a produção mundial de lixo deve alcançar qualquer coisa como 2,2 mil milhões de toneladas no tão de nós próximo ano de 2025. Por comparação, atualmente, ronda os 1,3 mil milhões de toneladas/ano.

Números que aceleram a necessidade de encontrar um novo valor para aquilo que atualmente vemos como desperdício e lixo. Isso mesmo está a fazer o designer japonês kosuke Araki que na sequência de um trabalho de campo académico que empreendeu em Londres, Inglaterra, em 2013, desenvolve agora uma linha de utensílios domésticos decorativos produzidos artesanalmente a partir de lixo orgânico.

Para alcançar este objetivo que, num primeiro olhar, nos parece pouco credível, o japonês, a trabalhar a partir da capital nipónica, Tóquio, recorre a uma técnica e material do seu país natal que remonta há 7500 anos.

Urushi é uma resina vegetal (que incorpora, por exemplo, arroz e tofu), semelhante a laca, utilizada para revestir objetos de arte tradicional chinesa e japonesa. Uma laca que é misturada a pigmentos para obter diferentes efeitos visuais.

kosuke araki recorre ao Urushi para lacar os seus utensílios produzidos a partir de lixo. Um trabalho que é, a outro tempo, uma forma de despertar e motivar para o carácter utilitário daquilo que consideramos usualmente lixo.

Para produzir as suas peças Araki recolheu, ao longo de dois anos e em sua casa, mais de 300 quilos de resíduos o que incluiu cascas, conchas, ossos de animais, caroços de fruta, saquetas de chá, entre dezenas de outros elementos.

Japonês produz peças decorativas a partir de lixo alimentar

Posto isto, o criador incinerou os resíduos vegetais tornando-os carvão. Por seu turno, ferveu ossos, pele de animal juntamente com uma resina natural. Reduzindo-os a uma massa, incorporou nesta o carvão vegetal.

Um produto moldável ao qual foi aplicado, posteriormente, o Urushi o que conferiu às peças o carácter lacado e o polimento final.

Um projeto a que Araki atribuiu um nome, "Food waste ware". Uma primeira coleção de autor que é apresentada com um guia e um dos moles utilizados na produção das peças. No guia, o designer explica como transformar o lixo alimentar em utensílios de mesa.