Um relatório do Conselho de Ministros Nórdicos e do Instituto de Pesquisa da Felicidade, sedeado em Copenhaga, na Dinamarca, oferece um panorama mais detalhado da vida nos países nórdicos e mostra que a felicidade está longe de ser um sentimento universal nesses estados.

O documento sugere que a reputação dos países nórdicos como "terras da felicidade" escondem problemas de algumas faixas da população, especialmente os jovens entre os 16 e os 24 anos.

O relatório designado "Na Sombra da Felicidade" analisa dados recolhidos ao longo de cinco anos - entre 2012 e 2016 - e constrói uma imagem fidedigna das "superpotências de felicidade", escreve a radiotelevisão britânica BBC.

Através de questionários, investigadores pediram aos participantes que classificassem a sua satisfação com a vida numa escala de 1 a 10. As pessoas que marcaram mais de sete foram classificadas como "a prosperar", as que indicaram cinco ou seis como "a batalhar" e quem marcou menos de quatro foi enquadrada como "a sofrer".

Jovens, os mais afetados

Um total de 12,3% dos participantes responderam que estão "a batalhar" ou "a sofrer", sendo que esse índice é ligeiramente maior entre os jovens. O índice só não é mais alto que o registado entre os cidadãos com mais de 80 anos.

Os investigadores identificaram que a saúde mental é uma das barreiras mais importantes na avaliação do bem-estar individual, sendo os mais jovens parecem ser os mais afetados nesse campo. "Cada vez mais e mais jovens estão sozinhos, sob stress ou com transtornos mentais", comenta um dos autores do relatório, Michael Birkjaear, citado pelo jornal britânico The Guardian.

"Vemos que a epidemia de transtornos mentais e de solidão está a chegar aos países nórdicos", acrescenta.

Na Dinamarca, 18,3% das pessoas entre os 16 e 24 anos indicaram que sofriam de problemas relacionados com a saúde mental. Esse número foi maior - 23,8% - no caso das mulheres na mesma faixa etária.

A Noruega assistiu a um aumento de 40% no número de jovens que pedem ajuda por dificuldades relacionadas com a saúde mental durante os cinco anos do estudo.

O relatório diz ainda que na Finlândia, classificada como o país mais feliz do mundo em 2018, o suicídio foi responsável por 35% de todas as mortes nessa faixa etária. Por outro lado, os autores defendem que nos países nórdicos os salários altos protegem, em certa medida, as pessoas de se sentirem em "sofrimento".

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.