Muito se fala de botox, mas pouco se sabe sobre ele – pelo menos os mais distraídos. Ao contrário do que vulgarmente se diz, o botox não serve para engrossar os lábios, muito pelo contrário: não é um volumizador, mas sim uma toxina que bloqueia a contração dos músculos, sendo utilizada, por exemplo, no tratamento das rugas de expressão. Mas não só.

A utilização do botox abrange diversos tratamentos, em zonas do corpo muito além do rosto, como axilas ou até mesmo os pés. O cirurgião plástico João Bastos Martins, especialista em cirurgia e medicina estética, dá a conhecer três utilizações menos conhecidas:

1. Enxaquecas

16% da população portuguesa sofre de enxaquecas, que é já a décima doença mais incapacitante do mundo. Na cabeça, são vários os nervos que passam através de músculos e, quando estes se contraem, os nervos são comprimidos ou demasiado estimulados, provocando enxaquecas.

A injeção de toxina botulínica em pontos chave vai paralisar temporariamente os músculos, aliviando a compressão sobre os nervos que provocam essa dor. O local onde é injetada a toxina depende do tipo de enxaqueca e da zona onde esta se desencadeia: se no músculo juntos às sobrancelhas, perto do nariz, nas têmporas, no pescoço ou noutra área. Se a dor for na zona posterior, a aplicação é feita na parte de trás da cabeça.

O efeito pode demorar dois a três dias a sentir-se, mas as melhorias são evidentes e o resultado de uma única aplicação pode durar cerca de três a seis meses

2. Sorriso gengival

O sorriso é um dos principais pontos da face - o cartão de visita - e visto como a arma mais poderosa de qualquer pessoa, capaz de mostrar a satisfação ou falta dela, de cativar ou afastar. Apesar de não existir, oficialmente, um sorriso ideal, certo é que já se definiu socialmente que um sorriso onde se veja demasiada gengiva, ou seja, em que o lábio superior sobe muito, não é o mais bonito e procura-se corrigir esta exposição demasiada sempre que possível.

O músculo elevador do lábio superior e o músculo das asas do nariz são dois dos principais responsáveis pelo sorriso e os que interessam tratar: aplicando botox nestes músculos vai descontai-los e diminuir a subida do lábio, expondo menos gengiva, o que se traduz num sorriso mais equilibrado e elegante.

Duas semanas após a sua aplicação o paciente tem um novo sorriso, que pode persistir durante quatro a seis meses.

3. Transpiração excessiva

Suar em demasia pode afetar grandemente a vida amorosa, profissional e social. Um simples aperto de mão pode ser um grande constrangimento, quer para quem sofre de hiperhidrose (sudorese em excesso) na zona das mãos como também para o seu interlocutor.

Nestas situações, em que esteja diagnosticada a hiperhidrose, o corpo exige uma solução externa, pois os mecanismos de controlo interno estão desregulados. O botox traz a possibilidade de amenizar os níveis de sudorese de uma forma simples e pouco intrusiva, tanto nas axilas como em mãos e pés: o suor sai pela contração do músculo nas glândulas que o produzem e a toxina vai paralisar essas glândulas, fazendo com que deixem de produzir suor.

É aplicado em vários pontos das zonas afetadas, com um espaçamento de cerca de um centímetro entre cada picada. O tratamento é superficial, não afetando o normal funcionamento do corpo, e deve aplica-se de seis em seis meses para resultados duradouros.

Os tratamentos com a toxina botulínica devem ser pensados caso a caso, conforme a real necessidade do paciente e o seu estado de saúde. Existem diferentes tipo de botox, com diversas formulações e para variados fins, sendo essencial uma utilização totalmente personalizada. O número de aplicações e os seus resultados vão sempre depender da anatomia e características musculares do paciente, podendo ser necessárias várias aplicações.

Um artigo do médico João Bastos Martins, especialista em Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Estética.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.