Acerca dos “superalimentos”, a primeira pergunta que devemos fazer é: afinal o que é que têm de diferente?

Para além dos seus benefícios em termos de nutrientes – proteínas, açúcares benéficos, ácidos gordos, vitaminas, minerais – estes alimentos apresentam vários compostos que, não tendo ação nutritiva, têm ação sobre o sistema imunitário, sobre a circulação sanguínea, sobre as hormonas, sobre os neurotransmissores, sobre a nossa composição corporal, entre outros fatores. Estes compostos são chamados fitoquímicos, isto é, químicos vegetais naturais.

No que diz respeito aos “superfrutos” - açaí, goji, moringa, camu-camu, mangostão, acerola, maqui, etc. – é de realçar que são fortemente antioxidantes, pelo que têm bastante interesse na prevenção de várias doenças crónicas.

Moringa
Moringa.

É o caso das doenças  cardiovasculares, degenerativas e também doenças de base inflamatória, como o cancro. Esta ação preventiva aplica-se ainda a doenças menos gravosas para a saúde, mas que muito preocupam as mulheres e homens modernos, como por exemplo o envelhecimento da pele, o aparecimento de rugas, de celulite, a má circulação sanguínea e linfática. Tudo isto pode e deve ser combatido com nutrientes que tenham elevada capacidade antioxidante.

Mas não é só na prevenção que estes alimentos são úteis, uma vez que pessoas diabéticas e pré-diabéticas, bem como as que sofrem de doença cardiovasculares e, especificamente, vasculares, podem beneficiar muito do seu consumo, uma vez que estas doenças geram constantemente uma grande quantidade de radicais livres, que agravam os problemas de saúde e que devem ser eliminados pela ação dos antioxidantes.

CURCUMA - O anti-inflamatório natural mais usado na atualidade

A curcuma, também conhecida em Portugal por açafrão-da-índia, é provavelmente um dos condimentos mais saudáveis e mais estudados do mundo.

Usada desde há centenas de anos pela medicina Ayurvédica Indiana, é um dos principais ingredientes do apreciado caril, sendo o seu pó obtido a partir da raiz da curcuma.

Em termos de composição, contém vários minerais, como o magnésio, potássio e cálcio. É também uma excelente fonte de fibra, vitamina B6, zinco e vitamina C.

No entanto, o que a torna verdadeiramente importante para a saúde humana é o seu principal composto ativo – a curcumina. Este tem vindo a ser massivamente estudado como anti-inflamatório mas, ao contrário dos fármacos, não produz alergias e não agride o intestino nem o fígado. Pelo contrário, melhora o seu funcionamento.

6 vencedores no campeonato dos “Superalimentos”. Um segredos local hoje tornado global
Curcuma.

A curcuma - e especificamente a curcumina - tem vindo a ser muito estudada também em outras áreas, com inúmeros estudos científicos publicados. É o caso da sua ação no aumento da capacidade antioxidante do organismo, na inibição de células mutagénicas (isto é, células cancerosas), nas alergias, na doença de Alzheimer, na melhoria da função cognitiva, em várias doenças inflamatórias, na colite ulcerativa, na doença de Crohn, na redução dos gases e inchaço abdominal, na desintoxicação hepática, nas cólicas gastrointestinais.

A lista é extensa e inclui, ainda, a prevenção da doença cardiovascular, através da redução de vários fatores de risco, nomeadamente como anti-agregante plaquetário e na redução dos níveis de colesterol. A curcumina melhora, ainda, o estado da pele em caso de acne, eczema e psoríase. Outros estudos referem ainda, o alívio da dor articular, pelo combate eficaz à inflamação. Como vê, são inúmeros os motivos para incluir a curcuma, ou açafrão da Índia, na sua rotina alimentar.

ASHWAGANDHA – combate o stresse físico e mental

Esta é uma das plantas mais populares da medicina Ayurvédica no mundo ocidental. E não é por acaso, dados os inúmeros benefícios para a saúde que ela nos propicia. É nativa de várias partes do mundo, que vão desde África, Índia e outras regiões asiáticas, até ao Mediterrâneo.

Tem sido usada desde há milhares de anos, sendo reconhecida como uma planta adaptogénea, isto é, ajuda o organismo a adaptar-se ao stresse físico e psicológico, conservando em equilíbrio os níveis de energia.

Uma das principais indicações da Ashwagandha é, sem dúvida, contribuir para a manutenção de um sistema nervoso saudável. Para além deste benefício tão útil para a vida agitada que todos levamos hoje em dia, há outros benefícios documentados para o seu uso, nomeadamente a promoção do bom funcionamento das glândulas adrenais, saúde do sistema reprodutor, redução da ansiedade e melhora o stresse.

ASHWAGANDHA
Ashwagandha.

MACA – Aumento da energia e equilíbrio hormonal

A maca, também conhecida como ginseng peruano, cresce nas montanhas andinas do Peru, a mais de quatro mil metros de altitude. É um vegetal crucífero, portanto da família das couves e brócolos e, no Peru, tem uma história centenária de uso quer a nível culinário quer ao nível medicinal. A parte usada é a raiz que ao ser desidratada e triturada é consumida sob a forma de pó.

A maca é muito rica também num grupo de antioxidantes chamados antocianinas. Uma das recomendações muito reconhecidas para o seu uso é o seu possível benefício na melhoria da saúde sexual, principalmente feminina. Alguns trabalhos científicos demonstram que a raiz de maca pode aliviar os sintomas da disfunção sexual na mulher pós-menopáusica. Outros trabalhos mostraram melhorias no desejo sexual em homens adultos.

Apesar de a planta não conter qualquer nível de cafeína, muitos consumidores referem sentir aumento dos níveis de energia, sendo que se tem observado que esta resposta é muito variável. Vários especialistas em fitoterapia recomendam maca a mulheres com Síndrome do Ovário Poliquístico e em casos de acne, devido ao seu impacto positivo no reequilíbrio hormonal, reduzindo as hormonas do stresse.

6 vencedores no campeonato dos “Superalimentos”. Um segredo local hoje tornado global
Maca.

AÇAÍ – Fruto exótico superantioxidante

O açaí é o fruto do açaizeiro (Euterpe oleracea). É originário da região amazónica, sendo uma das mais importantes fontes de alimentação para os habitantes da região.
O açaí é uma pequena fruta arredondada, encontrada em cachos, e tem coloração escura, que varia entre o roxo e o preto.

É rico em vitaminas do complexo B, C, além de possuir vários minerais, como o ferro, cálcio e potássio. O açaí também é muito concentrado em antocianinas, compostos que lhe dão a sua cor, e que possuem propriedades antioxidantes (o açaí é um dos frutos com maior poder antioxidante!), anti-inflamatórias (tem capacidade de atenuar os efeitos de alguns marcadores da esteatose hepática, o chamado fígado gordo), e inibe ainda a oxidação do mau colesterol (LDL), sendo um protetor das doenças cardiovasculares.

AÇAÍ – Fruto exótico superantioxidante
Açaí.

MORINGA – Fonte concentrada de multinutrientes

A moringa é uma árvore nativa do Nordeste da Índia que se espalhou pela África e também Américas. Os locais chamam-na de Nebedaye o que significa "que nunca morre".

A moringa tem aproximadamente 46 antioxidantes, sendo uma das fontes alimentares mais ricas nestes nutrientes. Correntemente é indicada para aumentar a produção de leite na mulher lactante, para os atletas (pelo elevado teor de antioxidantes) e para os seniores, pelo seu elevado teor de cálcio, essencial ao fortalecimento ósseo. Sob o ponto de vista nutricional, há que destacar nas folhas secas da moringa as elevadas concentrações dos seguintes nutrientes: quatro vezes mais cálcio do que o leite, quatro vezes mais potássio que as bananas, nove vezes mais ferro que o espinafre, Duas vezes mais vitamina A que as cenouras, quatro vezes mais fibra que a aveia.

moringa
Moringa.

CAMU-CAMU – o fruto mais rico em vitamina C

Para que não conhece, camu-camu são bagas vermelhas nativas da floresta amazónica, muito ricas em antocianinas, quercetinas e outros antioxidantes, mas sobretudo um teor muito elevado de vitamina C.

Um camu-camu de qualidade, biológico, contém cerca de 17% do seu peso de vitamina C, ou seja, uma colher de chá com 5 g de camu-camu terá 850 mg de vitamina C!

6 vencedores no campeonato dos “Superalimentos”. Um segredo local hoje tornado global
Camu-camu.

Um estudo muito interessante, efetuado com fumadores, foi publicado no Journal of Cardiology em 2008: um grupo de pessoas bebeu sumo de camu-camu e outro tomou vitamina C. Os que beberam o sumo de camu-camu mostraram uma redução significativa nos marcadores da inflamação e no stresse oxidativo associados com a doença cardiovascular, o que sugere que os seus benefícios para a saúde se devem a outros nutrientes que não só a vitamina C.

Custódio César
Nutricionista clínico funcional, especialista em nutrição desportiva