Através da parte central do ananás, pode ser obtido um pó rico em bromelaína, uma enzima proteolítica com propriedades anti-inflamatórias, anti-alérgicas, antibióticas e antitumorais. A bromelaína pode ser utilizada isoladamente ou em comprimidos de ananás que contêm uma quantidade menor desta enzima. Ao longo das últimas décadas, foram muitas as investigações científicas que o comprovaram.

Em cinco estudos feitos entre 1996 e 2006, com mais de 300 pacientes, um complexo enzimático com bromelaína e tripsina demonstrou eficácia anti-inflamatória equivalente ao fármaco Diclofenac. O tratamento com bromelaína demonstrou também ser eficaz nas mulheres lactantes com fissuras no mamilo e inflamação mamária por bloqueio nos ductos mamários, segundo um estudo da Universidade de Leeds de 2001.

A bromelaína foi ainda eficaz e segura no tratamento da sinusite aguda em crianças com menos de 11 anos, segundo uma outra análise científica, feita em 116 pacientes pela Universidade de Leipzig, na Alemanha. Na unidade do Hospital Universitário Miguel Servet que acolhe as vítimas de queimaduras mais graves, em Zaragoza, em Espanha, é utilizada para ajudar a sarar e a cicatrizar a pele desde 2015, limpando-a.

As propriedades nutricionais do ananás que muitos desconhecem

Devido à sua importante concentração de vitaminas e sais minerais, vitamina B1, vitamina B2, vitamina C, manganésio, bromelaína e fibras, atua em patologias onde exista dor, inflamação e edema, sem os efeitos adversos a nível gástrico e cardiovascular dos fármacos anti-inflamatórios. Está indicada no tratamento de processos inflamatórios, incluindo doenças reumáticas, dores osteoarticulares e dores musculares.

O ananás também é aconselhado em situações de processos traumáticos, incluindo pancadas e entorses, assim como em situações de pós-operatório. Este fruto é ainda útil em patologias respiratórias como a sinusite, a rinite, a asma e a bronquite crónica, funcionando como mucolítico, anti-alérgico e anti-inflamatório. Atua também sobre as fibras proteicas que envolvem o tecido celulítico, facilitando a sua eliminação. Para além disso, aumenta a eficácia dos antibióticos, sendo por isso utilizado como coadjuvante em casos graves como a sepsia, uma perigosa infeção generalizada, em adultos e crianças.

A sua ingestão regular ajuda a aliviar dores menstruais e dores mamárias, sobretudo se for feita juntamente com 500 miligramas de magnésio. Esta fruta pode ainda ser utilizada como anti-tumoral e anti-cancerígeno a nível preventivo e como coadjuvante de outros tratamentos. Para além disso, reduz o tempo de recuperação das queimaduras de terceiro grau, havendo já hospitais, como o de Espanha, a recorrer a ela.

A administração recomendada e as precauções que todos devem ter

Além de ingerir ananás regularmente, tomar 500 a 1000 miligramas/dia de suplementos alimentares com bromelaína, 30 a 45 minutos antes das refeições, é uma boa forma de potenciar a sua ação. Em casos mais graves ou de maior necessidade, pode-se ultrapassar as 2000 miligramas por dia. Não os deve, no entanto, tomar se houver tendência a hemorragias ou úlcera gastro-duodenal, advertem muitos especialistas.

Revisão científica: João Beles (naturopata e coordenador do curso de naturopatia do Instituto de Medicina Tradicional de Lisboa)

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.