A soja é um alimento proveniente da China que, nos últimos anos, tem vindo a conquistar o ocidente não só pela sua versatilidade como pelos inúmeros benefícios que tem para a saúde. Apesar de ser uma leguminosa, a soja apresenta características muito diferentes das leguminosas convencionais, o feijão, o grão, as lentilhas, as favas e as ervilhas. Tem um valor proteico superior e contém todos os aminoácidos essenciais.

Consumida sob a forma de leite, tofu ou granulado, pode ser a cura de muitos males. Devido ao seu elevado teor de ácidos gordos poli-insaturados, fibra, vitaminas e minerais e ao seu reduzido teor de gordura saturada, o consumo de soja e produtos derivados pode ter um papel importante na prevenção das doenças cardiovasculares e no combate à osteoporose e a alguns sintomas desagradáveis da menopausa.

Para além disso, também tem impacto na redução dos níveis do chamado colesterol mau (LDL) e na prevenção de alguns cancros. O seu teor proteico é de tal forma substancial, segundo os nutricionistas, que se equipara ao da carne, sendo quatro vezes superior ao do ovo e 12 vezes maior que o do leite. Rica em potássio e fósforo, as suas sementes têm uma grande quantidade de vitaminas como a A, B, C e D.

Além dessas, a soja tem ainda uma série de outras ações reconhecidas, como pode comprovar de seguida:

1. Atua na prevenção de doenças cardiovasculares

Ao contrário da carne e de outros produtos de origem animal, a soja conta com uma quantidade mínima de ácidos gordos saturados e não contém colesterol, pelo que, consumida em substituição de proteínas de fontes animais, reduz este tipo de patologias.

2. Ajuda a regular o peso

O seu elevado teor de fibra contribui para o controlo do peso, uma vez que torna a digestão dos alimentos mais lenta, aumentando a sensação de saciedade e retardando a absorção de alguns nutrientes, principalmente a glucose.

3. Facilita o trânsito intestinal

Para além disso, pode auxiliar na manutenção de um peso saudável devido ao seu moderado teor de lípidos. "No entanto, há que ser criterioso e não consumir a soja na forma de produtos fritos, nomeadamente salgados ou hambúrgueres, muitas vezes fritos e cheios de gordura", alerta a nutricionista Florbela Mendes.

4. Pode ajudar a prevenir alguns tipos de cancro

Vários estudos internacionais têm relacionado a proteína de soja e os seus componentes bioativos, as isoflavonas, com a prevenção do cancro da mama, endométrio, cólon e próstata, indiciando, até, que a baixa incidência deste tipo de patologias na China e no Japão pode estar relacionada com a ingestão elevada desta leguminosa.

Rica em isoflavonas de soja, em particular, a ginesteína e a diadzeína, estas substâncias ajudam a inibir o crescimento de células cancerígenas. Contudo, há outros estudos que não sustentam estas alegações. Este é, por isso, um tema ainda controverso.

5. Combate a osteoporose

Apesar de ser pobre em cálcio, a soja aumenta a retenção deste mineral no organismo, uma vez que, ao contrário da proteína animal, não favorece a sua excreção pela urina, impedindo a perda de massa óssea.

6. Reduz os sintomas da menopausa

Os estudos feitos até agora demonstram que a baixa incidência de perturbações associadas à menopausa nas mulheres japonesas está associada aos hábitos alimentares de consumo de soja. O motivo? As isoflavonas de soja apresentam um efeito protetor semelhante ao dos estrogénios.

Estas substâncias, quando ingeridas de forma regular, reduzem significativamente, segundo os especialistas, os afrontamentos, restabelecem o bem-estar psicológico e afetivo, impedem a perda de massa óssea, controlam o colesterol e a hipertensão arterial, previnem as alterações cardiovasculares, mantêm a libido e controlam o peso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.