Autoestima, imagem, bem-estar, juventude ou, pura e simplesmente, o desejo de voltar a vestir aquelas calças que lhe ficavam tão bem... Estes são apenas alguns exemplos das motivações que levam homens e mulheres a tomarem a difícil decisão. Subjugarem-se à doutrina da dieta. Desde o primeiro instante, adivinha-se já um percurso duro e tortuoso, marcado por períodos de sofrimento e austeridade à mesa.

Um período marcado por um sem-fim de alimentos drasticamente incluídos na lista negra. Até aqui nada de novo. Mas se lhe disséssemos que existe uma dieta em que nada é proibido? Acreditava? Guiados pela surpresa e uma boa dose de curiosidade tentámos descobrir o segredo de um programa norte-americano que desde a década de 1960 tem criado elegantes adeptos um pouco por todo o mundo.

Visto Portugal ainda não figurar neste planisfério alimentar, partimos até França para conhecer de perto um plano que sem restrições promete devolver-lhe a silhueta desejada. O nome? Weight Watchers! Muito provavelmente, o nome não lhe é nada estranho, até porque há celebridades como a cantora e atriz norte-americana Jennifer Hudson que já o adotaram. O método? É isso que lhe vamos explicar. Já a seguir.

O poder da palavra

Seja qual for a fórmula milagrosa ou o razão de leva uma pessoa a tentar emagrecer o pior inimigo é, na maioria das vezes, o tempo. Trata-se de uma batalha solitária que exige uma perseverança sem limites. Terminada a euforia inicial, os hábitos antigos teimam em regressar e, excepção após excepção, o que era uma dieta infalível torna-se numa tentativa perdida algures no passado.

Foi talvez esta dificuldade de lutar sozinho que levou na década de sessenta uma nova-iorquina a convidar um grupo de amigos que sofriam do mesmo problema, o excesso de peso, para lhes contar as suas vitórias contra a balança e desafiá-los a entrar na batalha.

Uma mera conversa entre amigos tornou-se num encontro semanal, que dava nova energias no combate ao peso e serviu de mote para um novo programa de emagrecimento, a ser desenvolvido sob a chancela Weight Watchers.

Embora seja uma marca de bens alimentares, esta dieta, muito popular em vários países do mundo, assenta em produtos de um fornecedor que todos nós conhecemos, a natureza. A única diferença é que, aqui, em vez de calorias, cada um dos alimentos representa um determinado número de pontos, havendo um número limite que, para alcançar o resultado pretendido, não pode, de todo, ser ultrapassado.

A flexibilidade total do regime

É preciso fazer contas. "Cada alimento tem um valor", explicou à Saber Viver Marie Pasques, enquanto responsável regional de Weight Watchers France. "Esse valor não é calculado com base em calorias mas, sim, em unidades alimentares. A liberdade é total. Contudo, convém não esquecer que embora todos os habitantes do nosso frigorífico sejam aceites, alguns são mais penalizados do que outros.

"Podemos comer de tudo, como por exemplo chocolate, sabendo de antemão que este faz parte dos extras e por isso tem um preço", refere a especialista. "O programa Flexipoints assenta numa alimentação equilibrada que inclui todas as categorias de alimentos, incluindo pão, massas, batatas (os chamados açúcares lentos) e proteínas (como o peixe e a carne), leguminosas, fruta, laticínios e matérias gordas. É uma dieta equilibrada e variada que permite emagrecer saudavelmente e por mais tempo", afirma ainda a especialista.

"Convém ter a noção de que não é comendo apenas chocolate que vamos emagrecer", exemplifica, todavia, Marie Pasques, em jeito de alerta. Do arroz, ao frango passando pelas maçãs, aos espinafres ou até as pizzas, uma das especialidades gastronómicas mais apreciadas, tudo é contabilizado com rigor, para atingir o objetivo pretendido que se pretende alcançar. Mas como sabemos a que pontuação temos direito?

Como se define a quota diária

É feito um diário pessoal. Tomando como ponto de partida a idade, sexo, peso, altura e estilo de vida de cada indivíduo é possível calcular o montante de pontos que lhe permitirá perder peso. Define-se, assim, uma quota diária que, como explicou Marie Pasques à edição impressa da Saber Viver, "é proposta à pessoa e pressupõe o aporte de alimentos necessários a que se mantenha de boa saúde e perca peso".

"A pessoa sabe que tem direito a um determinado número de pontos por dia e, depois, com base numa lista que inclui todos os produtos possíveis elabora os menus segundo o seu gosto", esclarece.

A par com a lista de alimentos e dos respetivos pontos, que deve depois consultar no dia a dia, o indivíduo recebe um pequeno diário onde deverá registar o que consome a cada dia. Tudo deve ser contabilizado e se, no final, do dia lhe sobrar um ou dois pontos poderá economizá-los para usar mais tarde, desde que seja na mesma semana.

"Uma pessoa pode economizar uma unidade ou duas de pontos por dia, para usar no fim de semana por exemplo", refere Marie Pasques, salientando que, de um modo geral, "o limite de pontos deve ser atingido". "Se ultrapassarmos a quota diária, abrandamos o processo de perda de peso, pois não devemos absorver demasiada energia se o corpo não consegue utilizá-la", adverte ainda a especialista.

Ainda no domínio das contas existe outro fator a ter em conta, nesta e em todas as outras dietas de emagrecimento, o exercício físico. Este faz parte integrante do programa e, caso a atividade física seja praticada de forma intensa, pode até converter-se em pontos adicionais. "A pessoa que pratica uma atividade física intensa tem direito a pontos suplementares que poderá usar ou não durante essa semana", explica ainda.

As regras de ouro a adotar

Além de defender uma dieta variada em que dá gosto olhar para o prato, o método Weight Wacthers, com milhares de seguidores nos países onde é mais promovido, inclui alguns princípios a respeitar. Consumir entre um litro e meio e dois litros de água por dia, incluir cinco porções diárias de fruta e vegetais e consumir, pelo menos, dois produtos lácteos por dia são algumas das propostas incontornáveis.

A classificação dos vegetais e frutas, na sua maioria com valor zero na tabela de pontos, convida a uma representação mais forte no prato, mas as proteínas e os farináceos marcam também presença a cada refeição. E a razão é simples, como esclarece Marie Pasques na entrevista que, em tempos, nos deu. "São açúcares lentos que se dissolvem gradualmente no organismo e proporcionam a sensação de saciedade", diz.

Cozinhar com pouca gordura, dando preferência ao azeite, são outros cuidados que garantem o sucesso deste plano que, com cinco refeições diárias equilibradas pretende introduzir mudanças nos hábitos alimentares, sempre com um objetivo em mente, emagrecer. A prática desportiva regular não deve ser esquecida, pois além de favorecer o bem-estar e a redução de peso, funciona como um travão para o apetite.

A ajuda da terapia de grupo

Ao contrário de outras dietas populares, o método Weight Watchers não permite uma perda de peso drástica, a ambição (desmedida) de muitos. Com expetativas semanais entre quinhentas gramas e um quilo, a redução, variável caso a caso, é, acima de tudo, gradual. Além da balança, o plano dá particular atenção a um aspecto decisivo para o êxito de qualquer dieta, a motivação.

"Se não estamos suficientemente armados, corremos o risco de ceder e nos desviarmos do objetivo", alerta a especialista francesa. "É um processo de aprendizagem para ser mais forte e para começar a conseguir dizer que não com a boca mas também com os olhos", realça Marie Pasques. E é aqui que entra o grande trunfo, as reuniões semanais, um dos trunfos deste regime alimentar hipocalórico.

Orientadas por uma formadora da marca, estas funcionam como terapia de grupo, com aconselhamento, que alia a motivação à informação sobre alimentação ou comportamento. "Trabalhamos numa dinâmica de grupo", explica Marie Pasques. "Apenas fala quem quer falar", garante. "Estamos lá para contar as nossas experiências e ajudar os outros a encontrar a sua própria solução para superar as dificuldades", diz.

De acordo com Alva Seixas Martins, nutricionista portuguesa, este é sem dúvida um dos pontos fortes do método Weight Watchers. "O problema da maioria das dietas é manter a perda de peso, por isso este grupos de apoio podem ser bastante positivos. Parece um programa bastante equilibrado, mas como é standard para toda a gente pode não ter os melhores resultados em certos casos", sublinha.

O veredito da balança

Atingido o objetivo principal, perder peso, chega a etapa mais traiçoeira. Mantê-lo! Aí, começa o programa de estabilização que, segundo a responsável da marca, "consiste em reintroduzir gradualmente alimentos suplementares, verificando como o organismo reage", explica a especialista. Foi na fase de estabilização que encontrámos Jany-Claude, que aos 57 anos viu no plano Weight Watchers a solução para fazer as pazes com a balança.

"O meu objetivo estava entre sete ou oito quilos mas acabei por perder 10", afirma, acrescentando que, "no início, o que me levou a experimentar foi o facto de já não gostar da minha imagem no espelho", admitiu. "Depois, à medida que perdia peso, via o corpo recuperar a forma", acrescenta. "Sentia-me mais bela e atraente", admitiria mais tarde esta cidadã francesa em declarações à Saber Viver.

Com o livro de equivalências e uma calculadora própria para saber os pontos dos produtos, Jany-Claude contabilizava tudo no plano semanal e comenta que o mais interessante "é que comemos de tudo, não nos sentimos frustrados", diz. "Podemos até comer um bolo, com a condição de contar os pontos. Outra coisa que me cativou foi a diversidade. A cada dia devemos comer um pouco de tudo, em proporções equilibradas", sublinha.

O emagrecimento gradual aliado ao exercício físico ajudou-a a atingir a silhueta desejada, mantendo a pele impecável. Quanto à força de vontade inicial, esta mantém-se inalterável graças aos encontros semanais, como deixam transparecer as suas palavras. "Sinto que aprendi a fazer melhores escolhas e a manter uma alimentação equilibrada. Nas reuniões, partilhamos experiências e trocamos imensas dicas", garante.

O exemplo de um menu diário calculado ao pormenor

Para não ultrapassar um total de 21 pontos, estas são as refeições que deve fazer ao longo de um dia, para conseguir emagrecer:

Pequeno-almoço (4 pontos)

3 colheres de sopa de cereais integrais
1 iogurte natural ou 10 cl de leite magro
1 banana

Meio da manhã (1 ponto)

1 barra de cereais
1 café

Almoço (8 pontos)

Sopa de legumes
Salmão grelhado com couves-de-bruxelas
1 fatia de pão com cerca de 25 g
1 maçã

Lanche (1 ponto)

Meia manga ou um iogurte natural

Jantar (7 pontos)

Tomate com mozzarela e vinagrete
Frango salteado com legumes no wok
4 colheres de sopa de arroz branco
1 quivi

Texto: Manuela Vasconcelos

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.