Em Portugal, estima-se que 300 mil pessoas sofram de DMRI e 45 mil correm sério risco de cegar. Todos os anos cerca de 4.500 pessoas são atingidas pela doença na sua forma mais grave. A DMRI é uma doença degenerativa da retina debilitante, de evolução crónica, que se manifesta clinicamente, na maior parte dos casos, após os 50 anos de idade. E tende a ser mais frequente em idades acima dos 60 anos.

Uma vez afetada a macula, não há tratamento, podendo, no entanto, travar-se a sua evolução com medidas preventivas. Aliás, de acordo com as recomendações médicas, e pesquisas desenvolvidas até ao momento, a prevenção e o diagnóstico atempados são a única forma de travar a progressão da doença para um estado de cegueira parcial altamente incapacitante.

As células que constituem a retina têm um alto teor de ácidos gordos do tipo ómega 3. Em particular, o DHA está presente em concentrações elevadas (de 30% a 50%) nas células que permitem a visão de objetos no crepúsculo e quando a luz é menos intensa.

Além disso, a região do cérebro que processa a informação visual tem um teor elevado de DHA. Numerosos estudos demonstraram que o DHA desempenha um papel importante para a visão, porque permite transmitir a informação recebida através do nervo óptico, ajudando a manter uma função visual saudável.

O DHA desempenha, por isso, um papel fundamental na manutenção de uma visão normal.

Por essa razão, os médicos especialistas defendem os resultados de estudos que indicam que o consumo de ómega 3 ajuda a prevenir e a travar a evolução da degeneração da mácula. Os tratamentos clínicos ainda não existem e, por isso, as recomendações médicas atuais sugerem que o uso de vitaminas antioxidantes ou de suplementos minerais têm um papel profilático no aparecimento da degenerescência macular relacionada com a idade.

Em diversos estudos e teses médicas se encontram referências à necessidade de encorajar os pacientes a ter uma dieta rica em vitaminas C e E, zinco, luteína, zeaxantina e ácidos gordos ómega 3.

Evitar o excesso de peso, deixar de fumar, tratar a hipertensão arterial e proteger os olhos dos raios solares, além de transversais à prevenção de outras doenças, são medidas a ter em conta. A consulta de um oftalmologista, é aconselhável e mesmo que não haja suspeita de doença, serve de medida preventiva.

Os ómega 3 têm sido referenciados pela comunidade médica internacional como benéficos na prevenção de diversos problemas de saúde e a proteção da visão é um dos pontos a ter em conta.

Como não existe tratamento para os casos existentes, a prevenção é mesmo o melhor remédio. Porque, sem tratamento, o curso clínico é, em todos os casos, crónico e conduz à perda irreversível da acuidade visual.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.