Numa carta enviada a todas as famílias publicada hoje nos media locais, Boris Johnson, que está em isolamento por ter contraído covid-19, diz que não hesitara ir mais longe nas medidas de confinamento social impostas.

“Não hesitaremos em ir mais longe (nas medidas de contenção) se a posição médica e científica indicar isso. Sabemos que as coisas pioram antes que elas comecem a melhorar”, adverte Johnson.

Recomendações da DGS

A DGS acompanha a situação da expansão do novo coronavírus e recomenda:

  • Em Portugal, caso apresente sintomas de doença respiratória e tenha viajado de uma área afetada pelo novo coronavírus, as autoridades aconselham a que contacte a Saúde 24 (808 24 24 24). Caso se dirija a uma unidade de saúde deve informar de imediato o segurança ou o administrativo.
  • Evitar o contacto próximo com pessoas que sofram de infeções respiratórias agudas; evitar o contacto próximo com quem tem febre ou tosse;
  • Lavar frequentemente as mãos, especialmente após contacto direto com pessoas doentes, com detergente, sabão ou soluções à base de álcool;
  • Lavar as mãos sempre que se assoar, espirrar ou tossir;
  • Evitar o contacto direito com animais vivos em mercados de áreas afetadas por surtos;
  • Adotar medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e boca quando espirrar ou tossir (com lenço de papel ou com o braço, nunca com as mãos; deitar o lenço de papel no lixo);
  • Evitar o consumo de produtos de animais crus, sobretudo carne e ovos;
  • Seguir as recomendações das autoridades de saúde do país onde se encontra.

Boris Johnson está em isolamento na residência oficial com “sintomas leves” da doença, após testes positivos na passada sexta-feira.

“Estamos a pôr em prática os devidos preparativos e, quanto mais cumprirmos as regras, menos vidas serão perdidas e mais cedo a vida voltará ao normal”, disse.

A mensagem de Johnson surge numa altura em que o número de mortes pelo vírus chegou a 1.019 no Reino Unido – um aumento de 260 em 24 horas. Foram ainda registadas 17.089 pessoas infetadas no país.

Os especialistas disseram que esperam que o número de mortos e infetados continue a crescer nas próximas duas a três semanas, antes de se começarem a sentir os efeitos das medidas de distância social e confinamento aplicadas.

O primeiro-ministro britânico também se refere à pandemia como um “momento de emergência nacional” e reconhece que a crise terá um impacto económico em todas as famílias, embora acrescente que o governo ajudará como puder.

O governante agradece o trabalho dos médicos, enfermeiros e outros trabalhadores cruciais nesta crise, bem como o das centenas de milhares de cidadãos que se ofereceram para ajudar os mais vulneráveis.

A carta enviada às famílias inclui orientações sobre como lavar as mãos adequadamente, uma explicação dos sintomas do novo coronavírus e recorda as regras impostas de confinamento e distância social.

Por seu lado, um especialista do Imperial College de Londres, Neil Ferguson, em declarações divulgadas hoje no The Sunday Times, disse que será necessário manter as medidas impostas pelo executivo “por um período significativo de tempo, provavelmente até o final de maio ou início de junho “.

Na passada segunda-feira, o governo britânico decretou o confinamento obrigatório para todos os cidadãos, exceto em casos excecionais, embora a polícia só tenha recebido por lei os poderes necessários para aplicar a medida na quinta-feira.

O protocolo prevê que os policiais primeiro avisem os que estão nas ruas sem uma boa razão que devem voltar para casa, mas inclui multas e prisões por não cumprimento.

A polícia pode sancionar aqueles que violarem o confinamento com uma multa de 60 libras (67 euros), que será reduzida para 30 libras (33 euros) se for paga no prazo de duas semanas.

É permitido sair para fazer exercício uma vez por dia, desde que se respeite uma distância de dois metros relativamente a outras pessoas. Os parques continuam abertos.

O ministro para os Negócios, Energia e Estratégia Industrial do Reino Unido, Alok Sharma, anunciou no sábado novas medidas destinadas a ajudar as empresas afetadas pela crise, introduzindo mudanças no atual sistema de insolvência.

O governo britânico já tinha anunciado medidas para ajudar os trabalhadores em risco de serem demitidos e trabalhadores independentes.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 640 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 30.000.

Dos casos de infeção, mais de 130.000 são considerados curados.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.