O material, que chegou hoje ao aeroporto da Praia, inclui, além de 18.900 kits e reagentes para teste da doença, 3.800 viseiras de proteção, 3.700 fatos, 9.500 luvas e 36 termómetros digitais, doados pelo empresário chinês, no âmbito de uma campanha de apoio do fundador do grupo Alibaba a vários países africanos.

A campanha envolve uma parceria com a Ethiopia Airlines, que assegura a distribuição, e no mesmo voo que chegou esta tarde à Praia foi entregue uma outra doação de equipamentos de proteção individual e reagentes, da Organização Mundial de Saúde (OMS).

No aeroporto, a presidente do Instituto Nacional de Saúde Pública (INSP), Maria da Luz Lima, esclareceu que a doação envolve também reagentes para permitir a utilização também dos 18.000 kits doados em 27 de março pela fundação a Cabo Verde, entre outro material.

“Esta oferta é muito bem-vinda para Cabo Verde, porque estamos numa fase que a epidemia está a aumentar e teremos que ter todos os equipamentos para a capacidade de diagnóstico das pessoas que podem estar infetadas. Esta doação vem colmatar essa capacidade”, afirmou.

Atualmente, disse Maria da Luz Lima, o Laboratório de Virologia do INSP já realizou mais de mil testes de covid-19, com 109 doentes positivos, e a capacidade instalada permite apenas realizar mais “1.800 a 2.000 testes”.

Sem quantificar a doação da OMS, o responsável daquela agência das Nações Unidas para Cabo Verde, Hernando Agudelo, explicou tratar-se essencialmente de equipamentos de proteção individual para distribuição pelos hospitais do país e que, sublinhou, "são indispensáveis".

"Esta é uma doença largamente contagiosa e é necessário que toda a gente esteja protegida”, apontou Hernando Agudelo, em declarações aos jornalistas no aeroporto da Praia, acrescentando que a doação da OMS foi “coordenada” com a da fundação do empresário chinês Jack Ma.

Cabo Verde conta 109 casos da COVID-19, distribuídos pelas ilhas de Santiago (55), da Boa Vista (53) e de São Vicente (1). Um destes casos, um turista inglês de 62 anos – o primeiro diagnosticado com a doença no país, em 19 de março -, acabou por morrer na Boa Vista, enquanto outros dois doentes já foram dados como recuperados.

Desde 18 de abril que está em vigor um segundo período de estado de emergência, mantendo-se suspensas as ligações interilhas e a obrigação geral de confinamento, além da proibição de voos internacionais.

A declaração do atual estado de emergência prevê para as ilhas da Boa Vista, Santiago e São Vicente, todas com casos de COVID-19, que permaneça em vigor até às 24:00 de 02 de maio.

Nas restantes seis ilhas habitadas, sem casos diagnosticados da COVID-19, a prorrogação do estado de emergência foi mais curta, e terminou às 24:00 de 26 de abril.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de COVID-19 já provocou cerca de 207 mil mortos e infetou quase três milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Perto de 810 mil doentes foram considerados curados.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.