O Reino Unido confirmou 7.097 óbitos relacionados com a COVID-19, após a morte de mais 938 pessoas em Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte nas últimas 24 horas, informou o Departamento de Saúde e Assistência Social esta quarta-feira, 8 de abril.

Há neste momento 60.733 casos de infeção no país, mais 5.491 que ontem.

Os números das mortes referem-se a pacientes com o vírus SARS-CoV-2 que morreram no hospital até às 17:00 de terça-feira e são compilados a partir de dados das direções regionais de Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

O número de pessoas infetadas é contabilizado de forma diferente e inclui os diagnósticos feitos até às 09:00 de hoje.

Até ao momento, já recuperam da doença 135 pessoas. Por outro lado, há 1.559 doentes internados em unidades de cuidados intensivos.

Estas estatísticas não incluem mortes fora do hospital, como aquelas registadas em lares de idosos, e algumas podem não ser incluídas no balanço diário devido a atrasos no registo dos óbitos, refere o ministério da Saúde.

Boris Johnson nos cuidados intensivos

“O primeiro-ministro permanece clinicamente estável e está a responder ao tratamento. Ele continua a ser tratado nos cuidados intensivos no hospital St. Thomas. Ele está de bom humor”, disse hoje o porta-voz do gabinete de Boris Johnson.

Esta foi a segunda noite que o primeiro-ministro britânico passou nos cuidados intensivos do hospital St. Thomas, em Londres, depois do internamento na segunda-feira à noite devido a um agravamento do estado de saúde.

Na terça-feira, foi anunciado que Boris Johnson, de 55 anos, tinha recebido apoio respiratório “normal” com oxigénio, mas que continuava a respirar sem assistência, não tendo por isso necessitado de ventilação mecânica ou apoio respiratório invasivo.

O porta-voz indicou também que não tinha sido diagnosticada a pneumonia que caracteriza os casos mais graves de pessoas contagiadas com COVID-19. No domingo, 05 de abril, tinha sido comunicada a sua hospitalização “por precaução” para fazer testes por continuar com “sintomas persistentes ao fim de 10 dias”.

Boris Johnson foi diagnosticado a 27 de março com COVID-19 após apresentar “sintomas ligeiros”, mantendo-se a trabalhar em isolamento na residência oficial de Downing Street, com reuniões por videoconferência.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Dominic Raab, foi designado para substituí-lo na sua ausência.

O novo coronavírus já infetou cerca de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 80 mil. Dos casos de infeção, cerca de 260 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro de 2019, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com cerca de 735 mil infetados e mais de 57 mil mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, contabilizando 17.127 óbitos em 135.586 casos confirmados até terça-feira.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes, registando 14.555 mortos, entre 146.690 casos de infeção confirmados até quarta-feira, enquanto os Estados Unidos, com 12.910 mortos, são o que contabiliza mais infetados (399.929).Portugal já registou, pelo menos, 380 óbitos.

O desinfetante das mãos pode ser feito em casa ou substituído por álcool?

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.