Francisco Mbofana, citado hoje pelo diário Notícias, disse que os testes estão a ser realizados em cinco das dez províncias moçambicanas e estão abrangidos prostitutas, casais com um dos elementos com VIH positivo, raparigas e mulheres com idades entre 15 e 24 anos e homossexuais.

O método consiste no consumo oral e diário de um comprimido e é conhecido por profilaxia pré-exposição (PrPEP).

Esta nova linha de prevenção resulta de uma recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), afirmou o director-executivo da CNCS.

"A profilaxia pré-exposição não é para todos. Deve ser prescrita por pessoal médico clínico e não substitui o preservativo", esclareceu Francisco Mbofana.

Francisco Mbofana assinalou que o efeito do compromido começa a fazer-se sentir sete dias após o início do consumo do primeiro comprimido, que bloqueia a infeção pelo VIH/Sida.

Moçambique tem uma das mais altas taxas de infeção de VIH/Sida no mundo e 13,2% da população entre 15 e 49 anos tem o vírus.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.