Os resultados foram divulgados esta semana num novo estudo realizado nos Estados Unidos. Mulheres e minorias sexuais relataram taxas mais altas de vitimização - o que significa que aparecem numa imagem ou vídeo sexualmente explícito que foi partilhado sem o seu consentimento.

A maioria dos casos relatados na pesquisa ocorreu durante a entrada na idade adulta da vítima - entre o final da adolescência e os 20 anos. Normalmente, a pessoa que partilha o material sexualmente explícito sem permissão era alguém conhecido das vítimas e, na maioria das vezes, era um parceiro íntimo atual ou antigo.

Os investigadores também descobriram que os entrevistados que dizem que foram vítimas de pornografia não consensual acabaram por ter problemas de saúde física e mental, incluindo depressão, ansiedade e até mesmo transtorno de stresse pós-traumático. Como a prevalência de sexting continua a aumentar entre adolescentes e jovens adultos, o potencial de vitimização de pornografia não consensual provavelmente irá continuar a crescer, indica o estudo.

Este estudo prova que a pornografia não consensual é considerado abuso, mas são necessárias mais pesquisas para melhor determinar os danos reais infligidos às vítimas, bem como os motivos e características dos agressores.

Na mesma pesquisa, um em cada 20 entrevistados admitiu ser alguém que realmente partilhou uma imagem ou vídeo sexualmente explícito sem permissão. Sessenta e sete por cento de todos os autores de denúncias eram homens.

Mais de 3.000 adultos, representando todos os 50 estados, responderam ao estudo online.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.