Nascido no seio de uma família de professores lituanos, Artúras Tamasauskas cresceu rodeado de música e de arte, o que muito provavelmente o terá estimulado a escolher o mundo artístico. Formou-se em técnicas de arte aplicada na Telsiai Fine Art Technical School em 1989 e trabalhou, durante vários anos, no complexo de arte que existe na cidade de Klaipéda, na Lituânia, onde se fixou e constituiu família.

Dedicou-se à decoração de interiores durante mais de uma década. Há vários anos, descobriu o steampunk, um subgénero de ficção científica que incorpora elementos tecnológicos em conceitos visuais e estéticos das máquinas industriais do século XIX. «É uma forma de arte muito estranha, cheia de invenções e soluções inesperadas, que me dominou totalmente», assume Artúras Tamasauskas.

«Uso os mais diversos materiais para trabalhar», conta ainda o artista plástico, que encontra normalmente a matéria-prima com que trabalha em armazéns e antiquários e até mesmo no lixo. «É, para mim, um prazer transformar uma peça inútil que foi deitada fora, dar-lhe a oportunidade de existir de uma nova forma, como se eu desse continuidade à sua existência em forma de expressão artística», admite.

Para promover o seu trabalho, Artúras Tamasauskas recorre frequentemente à internet e às redes sociais. Além da Lituânia, há apreciadores de steampunk e colecionadores dos Países Baixos, da Alemanha, dos Estados Unidos da América e da Austrália que já adquiriram esculturas suas. Descubra, na galeria de imagens que se segue, algumas das criações originais deste artista plástico.