Desde muito cedo que a aspiração de Reuben Wu, fotógrafo inglês a viver em Chicago, nos EUA, e um dos fundadores da banda de eletropop Ladytron, era conseguir captar paisagens a partir de perspetivas (quase) impossíveis com a sua objetiva. "O meu sonho de infância era ter uma máquina fotográfica voadora", confessa o músico. Depois de receber o seu primeiro drone em 2014, resolveu fazer da sua (outra) paixão profissão.

Com uma câmara remota em movimento, passou a tirar fotografias e a fazer vídeos, usando projetores fixos a pináculos de pedra para criar padrões gráficos e efeitos visuais. À medida que vai aperfeiçoando a sua técnica, torna-se conhecido pelos seus métodos pioneiros no uso da luz, ao iluminar paisagens conferindo-lhes um aspeto quase sobrenatural, com um toque de pintura romântica do século XIX a roçar a ficção científica.

O segredo para conseguir imagens que parecem saídas desses filmes tecnológicos está no tempo de exposição definido e no aproveitamento da incisão dos feixes de luz do próprio drone que utiliza sobre a paisagem, uma conjunção que cria uma auréola surpreendente. Em 2016, Reuben Wu lançou o projeto "Lux Noctis", que reúne uma série de fotografias, algumas delas já premiadas internacionalmente, que pode ver de seguida.