Ugur Gallenkus, um artista visual turco de 29 anos residente em Istambul, chegou, quando era mais novo, a viver perto de áreas de conflito, o que lhe permite ter, hoje, uma sensibilidade diferente para cenários de guerra e injustiças sociais. Certa manhã, enquanto assistia ao noticiário do seu país, viu o medo e o desespero nos olhos de um grupo de famílias imigrantes que tentava atravessar o mar em busca de uma vida melhor.

O choque que sentiu foi o suficiente para que quisesse alertar o mundo para as (muitas) dificuldades por que passam tantas destas pessoas que arriscam a vida, todos os dias, em diferentes partes do mundo, para fugir à guerra, à fome e/ou à perseguição de que são alvo nos países de origem. "Quis mostrar as diferenças que existem entre países desenvolvidos e subdesenvolvidos através do meu trabalho", justifica Ugur Gallenkus.

"Os países desenvolvidos vivem no luxo e na paz, mas gostaria de lembrar-lhes que muitas pessoas dos países subdesenvolvidos vivem na dor, na fome e na guerra", alerta. As colagens do criativo turco, que pode ficar a conhecer na galeria de imagens que se segue, juntam fotografias que encontra em jornais e revistas, gerando composições com realidades semelhantes mas que, na verdade, retratam histórias e vivências totalmente diferentes.

O trabalho deste artista europeu, um ativista convicto, não se fica, contudo, por aqui. Questões como a violência contra as mulheres, a desigualdade de rendimentos e as mudanças climáticas são outros dos temas abordados nas suas obras, que já se tornaram virais. Admirador confesso de Mustafa Kemal Atatürk, o estadista revolucionário e progressista fundador da Turquia moderna defende, como ele, a premissa "Paz em casa, paz no mundo".

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.