Durante o dia ocupa-se de questões relativas a administração e finanças num escritório de advogados e durante a noite e, por vezes, madrugadas, empenha-se em desenvolver os seus dotes nas artes plásticas e na literatura. Trata-se de Sónia Abdul Jafar Sultuane, uma mulher multifacetada que vê a sua vida dividida em várias actividades há sensivelmente 25 anos.

Pois, desde 1986 que Sónia Sultuane começou a trabalhar em várias áreas, mas tornou-se conhecida nos meandros culturais através das suas obras nas artes plásticas e dos seus dois livros de poesia, “Sonhos” e “Imaginar o Poetizado”. “Sou poetiza há já algum tempo e o meu primeiro livro foi publicado há 10 anos. Como artística plátisca comecei a aparecer publicamente há cinco anos através das minhas exposições, tendo promovido algumas individuais e participando em algumas colectivas”, explicou a artista.

Sónia Sultuane disse que para si não é nenhum “bicho-de-sete-cabeças” estar envolvida em várias actividades, pois “apesar de serem diferentes acabam por se complementar. Na literatura utilizo palavras e nas artes plásticas utilizo matéria, mas em todos casos tenho que as transformar em coisas belas. São formas de expressão próximas e, por exemplo, o meu trabalho como artística plástica tem muito de poesia”.

Nas suas obras tanto literárias como nas artes plásticas, Sultuane envereda por uma abordagem mais global, não aposta numa linha mais feminista, que marca muitas colegas da sua geração. “Não sou daquelas que aposta em obras que retratem, por exemplo, a luta contra a violência doméstica que afecta as mulheres, visto que a violência afecta os dois lados, o homem e a mulher”.

Em Junho de 2009, Sónia Sultuane esteve em Macau a convite da Associação Moçambicana dos Amigos de Macau, onde apresentou os seus trabalhos literários na Escola Portuguesa de Macau. “Este foi um dos momentos mais altos da minha carreira, dado que tive a oportunidade de avaliar o meu trabalho ao nível de pessoas que estão fora de Moçambique”.

Recorde-se que “No Colo da Lua” é o título do último livro lançado pela poetisa. As obras de Sultuane fazem parte de duas antologias, uma publicada pelo Ministério da Cultura do Brasil, com o título “Poesia Sempre” e outra, publicada pela editora portuguesa Dom Quixote, em Junho de 2003, com o título “Poesia Moçambicana Nunca Mais é Sábado”, da autoria do escritor Nelson Saúte.

Alfredo Lituri