Lisa Lloyd é designer e ilustradora há já 18 anos. A sua área profissional versa, sobretudo, o design comercial. Trabalhou com animação, dirigiu vídeos musicais e foi diretora criativa de uma empresa de animação em Londres. "A minha experiência em animação e design gráfico tem-me levado a muitas colaborações ao longo dos anos", revela a artista britânica, que já criou logótipos e fez gestão de marcas.

A maior inspiração para o seu trabalho vem-lhe da natureza. "Gosto de padrões, de simetrias, de geometrias e de texturas. Adoro o detalhe e tento dar-lhe um toque moderno, inspirando-me no design mundial", admite. Uma fusão de estilos que tem ajudado Lisa Lloyd a desenvolver e a produzir arte em papel em todas as formas e tamanhos para marcas, instalações e até editoriais para revistas.

O seu projeto, que teve início há cerca de 6 anos, começou como um hobby. Era com ele que ía ocupando os (poucos) tempos livres. "Adoro trabalhar com o papel. É uma experiência relaxante, [é] quase como meditar", confidencia. Numa fase inicial, Lisa Lloyd começou por fazer experiências com modelos tridimensionais mas, com o passar do tempo, enveredou por projetos cada vez mais difíceis.

O novo projeto que Lisa Lloyd tem em mãos

O êxito não tardou. A primeira oportunidade "a sério" foi-lhe dada pela revista britânica Waitrose. "Pediram-me para fazer um chapim-azul para a capa. Foi um verdadeiro desafio! Demorou cerca de cinco dias a construir. As penas foram todas cortadas à mão e o corpo foi feito com centenas de pedaços", explica. Lisa Lloyd integra o Paper Artists Collective, um coletivo de artistas internacional.

Para estes criativos, o papel é a sua matéria-prima de eleição. "O camaleão e a abelha [outras das suas criações] integram cerca de 600 pequenos triângulos de papel cortados à mão", revela a britânica, que está atualmente a criar uma série de insetos inspirada em designers de moda e ilustrações entomológicas vitorianas. O primeiro modelo foi uma abelha com um padrão abstrato em rosa, azul e dourado.