Estão a chegar ao fim as tão desejadas férias de verão.  Setembro é um mês de recomeços e de regressos. É altura de regressar à rotina, para uns o trabalho, para outros a escola.

Sem dúvida que o regresso dos mais pequenos às aulas é um marco para toda a família, pelos inúmeros desafios que, naturalmente, acarreta. As manhãs voltam a trazer consigo as correrias para que todos possam sair de casa a horas e muitas vezes esta fase é vivida com algum stress. Para as crianças e adolescentes, a par do entusiasmo com o regresso ou com a nova etapa, há também o receio natural do desconhecido e da novidade.

Cientes que o fundamental é o sucesso escolar e a felicidade das nossas crianças, deixo algumas dicas para que tudo corra de forma tranquila, assegurando a estabilidade que as crianças necessitam nesta etapa. Para as elaborar, ouvi dois intervenientes muito experientes: as crianças e os professores. Em especial, a docente Sara Policarpo, professora de 1º ciclo da minha filha Matilde.

Compilei tudo como se de uma receita se tratasse, para que este regresso fosse o mais pacífico, mas também o mais divertido de sempre.

Tome nota da receita

300g de exemplo: quando os pais estão calmos e serenos é mais fácil que as crianças se sintam da mesma forma com o regresso à escola, por isso, relaxe e transmita confiança.

250g de tranquilidade: não insista para que nos últimos dias de férias as crianças façam tarefas escolares, com o intuito de recordar o que já aprenderam. Converse de forma informal sobre coisas engraçadas que se recorde que elas tenham aprendido e nessa conversa valorize todas as aprendizagens que a criança elencou e reforce que no próximo ano aprenderá ainda mais coisas que, provavelmente, gostará.

250g de rotinas: cada início de ciclo é vivido com alguma ansiedade, quer seja por adultos ou por crianças. É importante que, em família, seja feita uma “pré-época” de retorno a algumas rotinas e que marque de forma suave o fim das férias. Combinem-nas de forma clara e objetiva, definindo consequências para o seu não cumprimento.

200g de envolvimento: envolva as crianças na preparação desta fase. Comece por fazer com elas uma lista do material escolar geralmente solicitado para a faixa de ensino que frequenta e vão juntos às compras. Crie um orçamento e estabeleça um valor máximo que não deverá ultrapassar. Converse e explique o mais claramente possível que existe um limite a cumprir, mas que a escolha de todo o material se pode ajustar dentro desse valor, mas deixe-as ter alguma liberdade de escolha. Ou seja, tente dar algumas opções: se quiser ter uma mochila mais cara, deverá escolher uns cadernos mais básicos e baratos.

200g de bom senso: é fundamental ter bom senso e reintroduzir de forma gradual os horários de deitar e levantar. Durantes as férias, a hora de adormecer e acordar fica por norma adiada. Tendo em conta que esta “reprogramação” dos ciclos de sono não se faz do dia para a noite, é conveniente que na semana antes do início das aulas comece a adaptar gradualmente aos novos horários de setembro. O mesmo é válido para os horários das refeições. Para manhãs mais calmas e sem correrias, sugiro que, além dos pais, também os filhos tenham um despertador.

300g de empatia: todas as mudanças são geradoras de ansiedade. Ainda que a criança vá para o mesmo ambiente escolar há sempre mudanças. A melhor forma de lidar com esta ansiedade é conversando, ouvindo os seus medos e receios. Não os considere “parvos ou sem razão de ser”, dado que para ele têm muita importância. Tente em conjunto com a criança analisá-los e encontrar possíveis soluções. Seja empático, coloque-se no lugar dela e ajude-a a encontrar formas de lidar com a ansiedade.

150g de planeamento: antes do primeiro dia de aulas, planeie uma visita à escola para familiarizar a criança com o ambiente escolar. Esta visita vai ajudar a que seja mais fácil o “choque” inicial.

150g de organização espacial: para as crianças mais velhas, é importante que exista em casa um sítio próprio para a realização dos trabalhos de casa e para o estudo, que seja calmo e livre de ruídos e estímulos externos, como televisão e internet. Compre uma secretária confortável e com um preço competitivo, sem esquecer um candeeiro para iluminação direcionada e uma cadeira ergonómica. No caso das crianças mais novas, o princípio é o mesmo, mas o local de estudo poderá ser adaptado à mesa da cozinha ou da sala, para permitir um acompanhamento mais próximo dos pais.

350g de diversão: o regresso às aulas é um grande momento, mas é um momento que se vai repetir todos os anos, por isso, nada de correrias, stress ou ansiedade. Prepare este momento com o seu filho a cada minuto, de uma forma divertida e única. Envolva-o, atribuindo responsabilidades e privilégios e divirtam-se. Registem os momentos com fotos, para mais tarde recordarem.

Por fim, misture tudo, bata suavemente e junte uma pitada de confiança - fará a diferença. A confiança evidencia que confia no seu filho e que acredita que este terá os recursos para, do “seu jeito”, enfrentar mais um desafio.

Um artigo de opinião da psicóloga clínica Vera de Melo.

Regresso à escola sem stress: a receita de uma psicóloga
Vera de Melo, psicóloga créditos: Direitos Reservados

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.