As autoridades norte-americanas não vão prosseguir com a queixa-crime contra Cristiano Ronaldo, no caso da alegada violação de Kathryn Mayorga. A informação foi avançada esta segunda-feira pela procuradoria de Clark County através do Twitter, conforme pode ver abaixo.

Recorde-se que o futebolista português foi acusado, em setembro do ano passado, de ter abusado sexualmente da norte-americana num hotel, em Las Vegas, a 13 de julho de 2009.

"A procuradoria-geral de Clark County anuncia hoje que não vai prosseguir com o julgamento de uma alegação de violação contra Cristiano Ronaldo ocorrida há 10 anos", pode ler-se no documento, onde é descrita a fita dos acontecimentos, desde a alegada violação à recusa de Kathryn Mayorga, na altura, em revelar o local do crime e a identidade do agressor.

É descrito como a investigação foi encerrada sem recolha de provas e como as duas partes chegaram a acordo à margem da justiça, em 2010.

Mayorga, agora com 34 anos, assinou na altura um acordo - de cerca de 320 mil euros - com os representantes do internacional português para manter o silêncio em relação ao caso.

Os detalhes do incidente, porém, acabaram por ser revelados pelo portal Football Leaks, tendo a norte-americana concedido depois uma entrevista à revista alemã Der Spiegel, onde contou toda a história e anunciou que iria processar o português.

[Notícia em atualização]

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.