A modelo que acusa Neymar de a ter violado em maio deste ano, em Paris, prestou novo depoimento sobre o caso esta sexta-feira, dia 7.

Esta semana foi divulgado um vídeo de cerca de um minuto, gravado no dia seguinte à noite em que ocorreu a supostaviolação, que mostra a alegada vítima a bater ao jogador. Posto isto, as autoridades brasileiras quiseram saber onde estão os restantes seis minutos que mostram o que realmente aconteceu naquele quarto e que segundo a própria provam o crime.

No depoimento prestado à inspetora Juliana Lopes Bussacos, da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de São Paulo, e cujo Jornal Nacional teve acesso, Najila Souza diz não conseguir entregar os restantes seis minutos que faltam ao vídeo pelo facto de a sua casa ter sido assaltada na quinta-feira, dia 6, e o tablet onde estavam as imagens ter sido levado pelos ladrões.

Os investigadores quiseram então saber se as imagens não estariam guardadas no servidor de alguma empresa de tecnologia. A jovem não soube responder.

Quanto ao facto de não ter sido apresentada queixa pelo roubo ocorrido no seu apartamento, esta explica que não o fez por não saber ao certo o que foi levado. Só deu pode falta do tablet, de um relógio e de uma quantia em dinheiro.

A imprensa brasileira afirma que a polícia apenas encontrou no local impressões digitais da modelo e da sua empregada.

Foram quase seis horas de depoimento marcadas por um grande nervosismo por parte da alegada vítima. Najila estava chorou muito. O que obrigou a responsável pela investigação a interromper a sessão para que esta ficasse mais calma.

Os nervos fizeram-se sentir de tal forma que levaram a mulher a desmaiar dentro da esquadra. Ao fim do dia, esta foi fotografada a sair do local ao colo do seu advogado.

Até ao momento, não existem ainda mais informações sobre o seu estado de saúde.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.