Um cabelo oleoso é, nada mais nada menos, que um alto teor de oleosidade cuja origem é provocada pela produção excessiva de gordura pelas glândulas sebáceas do couro cabeludo. A tendência é aparecer na puberdade, uma vez que há uma maior presença de hormonas androgenas no entanto, o stress e existência de quistos nos ovários. Não obstante, o uso inadequado de produtos capilares, ambientes húmidos ou mais gordurosos, também podem influenciar.

Caso tenha um caso de oleosidade excessivo ou até se é algo genético, o ideal é que procure um dermatologista afim de lhe ser aconselhado algum tratamento que minimize o estado do seu couro cabeludo. Caso contrário, leia atentamente alguns hábitos que podem tornar o seu cabelo oleoso e mude-os rapidamente.

Lavar com água quente
A água quente só vai estimular as glândulas sebáceas, para além de poder irritar o couro cabeludo. Lave o cabelo com água morna ou preferencialmente com água fria. Além de fazer melhor ao cabelo, o mesmo também irá ficar mais bonito e solto, uma vez que a água quente deixa os fios mais pesados.

Dormir com cabelo molhado
É certo que para quem tem caracóis, os mesmo podem ficar mais definidos e bonitos. No entanto, dormir de cabelo molhado faz aumentar um ambiente propício à dermatite seborreica, comummente chamada de caspa. A humidade aumenta a proliferação de fungos e bactérias.

Secador muito quente
Tal como a água quente, também o tipo de secagem vai implicar com a questão. O calor excessivo danifica o couro cabeludo ocorrendo, uma vez mais, uma defesa das glândulas sebáceas. Estas, face ao ataque, produzem mais oleosidade.

Alimentação
Tudo o que ingerimos afeta a nossa saúde, mas também todas as partes do corpo. Como tal, o cabelo é também afetado. Uma alimentação rica em carboidratos não é das mais aconselháveis. Pão refinado, alimentos ricos em açúcar, massas refinadas, arroz branco, entre outros, podem desequilibrar a produção de insulina devido ao excesso de glicose. Tal pode provocar uma inflamação celular que irá acabar por aumentar a produção de sebo por parte das glândulas sebáceas.
Consuma mais alimentos ricos em fibras, já que têm um índice glicémico mais baixo.

Não mexa tanto no cabelo
Quanto mais mexe mais ensebados ficam! A nossa pele contem um género de manto de proteção composto por queratina, ceramida, células mortas, entre outros. Ao passar as mãos no cabelo, está-se a encher o mesmo com esses componentes, já para não falar de alguma outra sujidade (hidratantes, protetores, etc...) das mãos.

Ter atenção ao champô
Oleosidade significa cabelo sujo, mas há determinados champôs que ainda que publicitem uma higiene profunda, o que é certo é que tendem a ser mais agressivos, ou seja, podem atuar sobre o manto hidrolipídico e removendo este. Logo, se este é retirado, as glândulas vão entender que é necessário produzir e repor mais sebo.

Usar condicionador na raiz
Use somente uma pequena quantidade do produto da metade do cabelo à pontas e enxague o suficiente para retirar o mesmo. Na raiz só vai provocar um aumento de oleosidade e deixar a raiz húmida.

Químicos
Há alguns tratamentos que favorecem a acumulação de oleosidade, nomeadamente processos que usem ácido hialurónico, cisteína, etc... estes resíduos ficam na raiz durante muito tempo, pelo que pode haver um aumento da oleosidade.

Finalizadores
Opte pelos que são à base de silicone, pois para além de deixarem os cabelos mais soltos, formam um filme protetor. Os restantes podem conter óleos ou ceras o que ainda irá deixar a raiz mais oleosa.