O aparecimento de pêlos encravados deve-se, em grande parte, a técnicas, muitas vezes incorrectas, de depilação, como a cera depilatória, que levam a um arrancamento do pelo seguido de inflamação. Esta inflamação, chamada foliculite, pode deixar marcas na pele, incluindo hiperpigmentação ou até mesmo cicatrizes. «As pessoas a quem isto acontece deverão mudar de método de depilação, evitando as formas de arrancamento mecânico do pelo», recomenda a dermatologista Leonor Girão.

Para exibir uma pele sedosa, livre e sem folículos capilares, «deve, preferencialmente, optar por métodos destrutivos, como a depilação a laser ou os cremes químicos depilatórios», sugere a especialista. «O desencravar do pelo puxando-o, na maioria dos casos, só piora porque leva a um traumatismo do folículo com eventual infecção, pelo que é totalmente desaconselhado», sublinha ainda a médica.