A bactéria, que é especialmente grave em doentes imunodeprimidos e hematológicos, foi objeto de uma revisão sistemática sobre a sua epidemiologia e tratamento por parte de especialistas do hospital del Mar, de Barcelona, a pedido da Sociedade Americana de Microbiologia.

O facto de a ‘Pseudomonas aeruginosa’ se ter tornado resistente aos antibióticos é uma das grandes ameaças para a saúde da população em geral, segundo a Organização Mundial de Saúde.

A investigação demonstra que a bactéria tem, de forma intrínseca, grande capacidade para desenvolver mecanismos de resistência.

"Os mecanismos de resistência da ‘Pseudomonas aeruginosa’ são especialmente difíceis de combater, frequentes, combinados e muito complexos", segundo o médico Juan Pablo Horcajada, chefe de serviços de doenças infecciosas do Hospital del Mar.

A bactéria tem a capacidade de modificar a sua estrutura celular para evitar que os antibióticos atravessem a parede celular e possam expulsar os princípios ativos ou ativar as enzimas que os inativem.

Pode também causar infeções respiratórias, pneumonia hospitalar e outras infeções que podem ser muito graves em pacientes imunodeprimidos ou hematológicos, causando o que Horcajada denominou de "tempestade perfeita".

Segundo os investigadores, a bactéria está presente em todos os países europeus.

A pesquisa revelou também que as infeções por esta bactéria multirresistente são responsáveis por 10% a 25% de todas as infeções por ‘Pseudonomas’, mas em alguns países, como é o caso da Grécia, pode atingir os 60% dos casos.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.