Em comunicado, a MSF refere que “governos e organizações financiadoras têm, agora, de intensificar os esforços e dar resposta — tanto política como financeira — ao envenenamento por mordida de cobra com a urgência e a atenção que esta negligenciada crise de saúde pública exige”.

“Estamos cautelosamente otimistas de que a estratégia da OMS para a mordida de cobra poderá ser um ponto de viragem no combate a esta doença. Governos, doadores e outras partes interessadas não devem desperdiçar esta oportunidade, mas sim fornecer apoio político e financeiro concreto para garantir seu sucesso”, salienta Julien Potet, da MSF.

“Estima-se que 5,4 milhões de pessoas por ano são mordidas por cobras, 2,7 milhões são envenenadas, 100.000 morrem e 400.000 ficam desfiguradas ou incapacitadas para a vida”, revela a organização não-governamental.

O responsável da MSF afirma que “é hora de todos aproveitarem esse momento e impedirem mortes e deficiências desnecessárias de picadas de uma vez por todas”.

A MSF espera que “a estratégia multifacetada inclua uma recomendação clara para produtos atuais e futuros serem seguros e acessíveis e planos ambiciosos para aumentar as taxas de tratamento e acesso a antivenenos nas regiões afetadas”.

De acordo com a MSF, a estratégia da OMS acentua “também a necessidade de aumentar a conscientização em relação à prevenção, primeiros socorros e onde procurar tratamento adequado por meio de educação e treinamento em nível comunitário do pessoal médico, especialmente aqueles envolvidos em serviços médicos de emergência e atenção primária à saúde”.

Por isso, a MSF considera que é necessário tomar “medidas concretas para aumentar substancialmente o acesso a antídotos seguros que já existem no mercado e para dar prioridade ao desenvolvimento de novas e melhores ferramentas de resolução” do problemas das mordidas de cobras.

A estratégia da OMS é apresentada na Assembleia-Geral de Saúde que está a decorrer em Genebra até 28 de maio.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.