É à grande amizade entre a Dra. Josina de Lima Ribeiro – médica no então Hospital Miguel Bombarda, hoje Hospital Central de Maputo – e o seu pai, o enfermeiro Abiatar Muthemba, que Josina deve o seu nome. O pedido da médica foi atendido à segunda – primeiro nasceu Esperança – pelo enfermeiro.

Josina, apesar de ter nascido em Inhambane, iniciou os seus estudos em Mocímboa da Praia, bem no norte da província de Cabo Delgado, distrito para onde o seu pai havia sido transferido pouco tempo antes.

Orientados pela mãe Alfina, os filhos entravam em competição de habilidades para ver quem era o mais rápido nos cálculos matemáticos e no ditado de português. Um dos prémios para quem ganhava a competição era uma dose de lifetse, uma pasta feita com farinha de mandioca e amendoim torrado a que se adiciona açúcar, pilando-se até se obter uma pasta, sendo um doce muito apreciado nas províncias de Gaza e Inhambane.

O ensino básico acabaria por completá-lo na Escola Mouzinho de Albuquerque, no Xai-Xai, após nova transferência do pai. Luísa Body, sua companheira de escola, recorda-se dela gritar: “Luísa, apressa-te, está na hora da escola! E acrescenta: “Gostava de fazer duas tranças com um risco ao meio.”

O sonho de ser contabilista e os primeiros contactos com os nacionalistas

Completado o ensino básico, Josina chegou a Lourenço Marques (hoje Maputo) com 13 anos e um sonho na bagagem: tornar-se contabilista.

A casa da avó materna, Ana Macome, no bairro do Chamanculo, para onde veio viver, era um viveiro de nacionalismo e o engajamento da família Muthemba, especialmente o seu tio, Mateus Sansão, era notório. Nesta altura, Josina frequentava a Escola Comercial situada junto ao Liceu Salazar (actual Josina Machel) e, quando vários elementos da família foram presos, começou a interessa-se pela causa da independência.

Assim, em Março de 1964, foi ela própria detida na então Rodésia, quando tentava juntar-se à guerrilha da Frelimo na Tanzânia.

Na sinistra Vila Algarve – a sede da PIDE, a polícia política do regime português – foi várias vezes interrogada, tendo-lhe sido oferecidas benesses, como bolsas de estudo em Portugal, que repetidamente rejeitou.

Saiba mais na página seguinte

Promovendo a emancipação da mulher

Em finais de 1964, Josina deixou lacónico bilhete de despedida à tia Leta, com quem vivia desde a sua libertação, dizendo: “Adeus, receberão informações.”

Finalmente, em Agosto de 1965, já na Tanzânia, começou a trabalhar na administração do Instituto Moçambicano, sendo o braço direito de Janet, a esposa de Eduardo Mondlane. Impressionado com as qualidades da jovem militante, o primeiro presidente da Frelimo entregou-lhe a importante tarefa de organizar a educação política de uma unidade de mulheres na província do Niassa, onde a luta se desenvolvia com particular intensidade.

No II Congresso do partido, que teve lugar em Julho de 1968, Josina foi eleita delegada, defendendo galhardamente a linha traçada pelo Comité Central de promoção da emancipação da mulher. Pouco depois, assumiu a chefia da Secção da Mulher no Departamento de Relações Exteriores.
Em finais de Setembro de 1968, Samora começou a namorar Josina, segundo o próprio, após “apreciar as suas qualidades, sobretudo, quando abandonou a bolsa de estudos na Suíça para abraçar uma vida dura e violenta.”

O casamento com Samora e o nascimento de Samito

Mondlane, ao ter conhecimento da notícia, aconselhou Samora a casar rapidamente. E assim foi. A 4 de Maio de 1969, no Centro Educacional do Tunduru, Samora Machel casou-se com Josina Muthemba. A companheira e amiga Marina Pachinuapa recorda-se que foi uma grande festa: “Só a Nachingweya chegaram seis camiões trazendo camaradas nossos que iam assistir ao casamento de Josina e Samora. Na preparação, também se deu um episódio engraçado. Na véspera, Samora mandou matar dois porcos para a festa, mas, por engano, os nossos camaradas perceberam mal e mataram doze porcos! As crianças do centro de Tunduru agradeceram o erro que lhes deu tamanha festa.”

Pouco depois, a 23 de Novembro de 1969, nascia o primeiro e único fruto desta relação: Samora Machel Júnior, conhecido por Samito.

A maternidade não afastou Josina do trabalho. As digressões às zonas libertadas do Niassa e Cabo Delgado, ao invés de serem refreadas, foram intensificadas. Um grave problema de fígado começou a minar o seu corpo franzino. Aos 27 anos, o seu estado de saúde era muito débil.

Saiba mais na página seguinte

Trocando a saúde pela revolução

A 6 de Março de 1971, Josina partiu para a sua última viagem a Cabo Delgado. Pretendia inteirar-se da realidade vivida pelas crianças dos infantários da Frelimo naquela província. Na sua última intervenção junto da população as palavras saíram-lhe fragmentadas. Ardia em febre. Já na fronteira, de regresso a Dar-es-Salam, tirou a pistola e disse: “Entreguem-na ao camarada dirigente da Província para que sirva de salvação do povo Moçambicano.” E acrescentou: “Camaradas, eu já não avanço mais, mas estou preocupada com a revolução e as crianças.”

No dia 6 de Abril, o seu estado de saúde agravou-se subitamente. Na noite desse dia, acabaria, embora a contragosto, por ser levada por Joaquim e Marcelina Chissano para o hospital de Muthimbili, em Dar-es-Salam, onde acabaria por falecer na madrugada do dia 7 de Abril de 1971, deixando um filho, Samito, com apenas 16 meses.

O vice-presidente da Frelimo, Marcelino dos Santos, na hora da despedida afirmou que Josina teve tanto fervor revolucionário que não teve tempo para cuidar da sua própria saúde. Em Agosto desse ano completaria 26 anos.

Cristóvão Araújo

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.