Uma investigação publicada recentemente pela revista Nature afirma que, apesar dos avanços nas áreas da medicina e da nutrição, os seres humanos têm uma longevidade limitada que já pode ter sido alcançada.

O estudo conclui que existem poucas hipóteses de um novo recorde de longevidade, fixado em 122 anos, uma vez que o limite máximo da vida humana é de 115 anos.

Utilizando um banco de dados global com estatísticas sobre o envelhecimento, a análise avalia que, enquanto a esperança de vida aumentou no século passado para alguns grupos – crianças, mulheres durante o parto e idosos –, esse crescimento desacelerou no caso dos idosos em idade avançada.

Leia também: Este homem diz ter 145 anos de vida

Veja isto: 10 mutações genéticas que são autênticos superpoderes

Saiba mais: 10 alimentos que lhe devolvem 10 anos de vida

"Parece extremamente difícil, senão impossível, romper o limite máximo, devido à complexidade do processo de envelhecimento", afirma o cientista e autor do estudo Jan Vijg, da Escola de Medicina Albert Einstein, em Nova Iorque.

Ser humano com a vida mais longa

Desde que há registo, Jeanne Calment foi a mulher até à data a viver mais anos na história da humanidade. Morreu em 1997 em França aos 122 anos.

Segundo as estimativas dos cientistas, as hipóteses de um indivíduo chegar aos 125 anos são menos de uma em dez mil.

Entretanto, investigadores lembram que técnicas como a manipulação genética, que aumentaram a esperança média de vida de alguns animais, poderão no futuro ser aplicadas em seres humanos. "Podemos aumentar significativamente a longevidade de várias espécies diferentes de animais. Não acho que os humanos sejam exceção", comentou o geneticista David Sinclair da Faculdade de Medicina de Harvard citado pelas agências internacionais.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.