O mufti, chefe religioso, da Arábia Saudita afirmou que o objectivo de impedir que as mulheres dirijam "é proteger a sociedade do mal", informou nesta quinta-feira a imprensa saudita.

O xeque Abdel Aziz Al Sheikh fez esta declaração em uma conferência realizada na quarta-feira em Medina, cidade do oeste da Arábia Saudita.

O mufti defende "o exame deste tema sob o ponto de vista da protecção da sociedade do mal" que implicaria autorizar que as sauditas possam dirigir.

Esta tomada de posição reflecte a hostilidade nos círculos religiosos em relação ao direito das sauditas tirarem carteira de habilitação.

As activistas sauditas afirmaram que o ministro do Interior, príncipe Mohamed ben Nayef, garantiu que o assunto está sendo estudado.

A Arábia Saudita é um país que aplica uma versão rígida do Islã, que faz com que as mulheres necessitem de autorização de um tutor para viajar, trabalhar e, inclusive, casar.

28 de Novembro de 2013

AFP

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.