Prática de bodyjump reduz massa corporal e pregas cutâneas

Um estudo da Universidade de Alicante, em Espanha, enaltece os benefícios desta modalidade. Feita com minitrampolins, também aumenta a resistência a e força muscular.

Um grupo de especialistas em educação física e desportiva da Universidade de Alicante, em Espanha, passou o último ano a estudar o bodyjump, uma modalidade desportiva executada com recurso a um minitrampolim. Criada pela empresa espanhola EAC Training Systems, integra um plano de exercícios que, além de aumentar a resistência a e força muscular, reduzem a massa corporal e as pregas cutâneas, resultantes de um processo de emagrecimento.

Essa é, pelo menos, a conclusão do estudo, que acompanhou 27 mulheres, 14 delas praticantes regulares de bodyjump. Três vezes por semana, durante 50 minutos, ao longo de um mês, os investigadores procuraram avaliar como o programa de exercícios seguido pelas voluntárias afetava a sua condição física. No final, depois de uma análise exaustiva, registaram «uma notável redução da massa corporal», noticia a imprensa espanhola.

Os cientistas verificaram ainda «uma redução do somatório das pregas cutâneas», pode ainda ler-se. Além de medir cientificamente os impactos da prática desta modalidade com poucos anos, os especialistas pretendiam ainda perceber se se podem melhorar as coreografias e os planos de treino de bodyjump para conseguir (ainda) melhores resultados. As aulas nos minitrampolins duram, em média, cerca de 45 minutos.

Texto: Luis Batista Gonçalves

artigo do parceiro:

Comentários