Sair do útero materno, seguro e quente, para um mundo exterior frio e desconhecido é sempre um trauma. Descubra como a massagem pode ajudar o seu bebé a sentir-se seguro e protegido, ao mesmo tempo que promove o seu desenvolvimento fisiológico e emocional.

Um grupo de mães (e pais) massaja carinhosamente os seus bebés, que gesticulam, balbuciam e sorriem deliciados. O espectáculo é de tal forma embevecedor que a sua divulgação podia facilmente ser uma medida governamental de incentivo à natalidade. Estamos, convém esclarecer, numa aula de massagem do bebé. Uma forma privilegiada dos pais interagirem com os seus bebés, estimulando as suas capacidades fisiológicas e comportamentais, e de aprofundarem o seu vínculo afectivo.

Patrícia Oliveira, que frequentou um deste cursos após o nascimento da filha Leonor, aponta «o relaxamento geral, que a ajudava a adormecer» como principal benefício para a sua bebé, sublinhando ainda outro factor importante nesta aprendizagem: «foi muito bom para aumentar a minha auto-estima como mãe e o nosso laço afectivo; deu-me confiança ao tocar--lhe, segurá-la...».

O que é?

A massagem do bebé é um conjunto de técnicas que se aplicam a qualquer criança com o objectivo de promover, através do toque, a comunicação entre os pais e o seu bebé. Trata-se de uma prática milenar em muitas culturas, com inúmeros benefícios há muito comprovados por diferentes grupos de investigadores, como os do reputado Touch Resource Institute da Univer­sidade de Miami (EUA), totalmente dedicado ao estudo do toque.

O toque é o primeiro sentido a desenvolver-se ainda dentro do útero materno, pelo que, uma vez cá fora, o contacto pele com pele traz-lhe a lembrança dos movimentos intra-uterinos que o massajavam com pequenas contracções. Ao ser tocado novamente, o bebé redescobre esse prazer e sente-se seguro, protegido e acarinhado. Por outro lado, «sendo a pele o maior órgão de comunicação de que o bebé dispõe, é através do tacto que se transmitem uma infinidade de mensagens, organizadoras de bases fisiológicas e emocionais para o futuro», explicam os especialistas da Associação Portuguesa de Massagem Infantil (APMI).

As técnicas da massagem infantil reúnem princípios do yoga, reflexolo­gia e técnicas de massagem indiana e sueca, numa combinação e sequência desenvolvidas pela norte-americana Vimala McClure, nos anos 70, após ter descoberto o «poder do toque» no desenvolvimento infantil, durante o seu trabalho de voluntariado em orfa­natos na Índia. Hoje, o seu programa de massagem infantil, apoiado pela International Association of Infant Massage (IAIM), também fundada por si, é ensinado e aplicado em mais de 50 países, incluindo Portugal.

Como fazer?

O contacto intuitivo da pele da mãe ou do pai com a pele do bebé é, por si só, benéfico, mas, de acordo com a presidente da APMI, Angela Subtil, «existe uma sequência para realizar os movimentos, de modo a que o benefí­cio seja aumentado quer para o bebé, quer para os pais».

Esta sequência é muito simples e poderá ser facilmente aprendida num curso de massagem do bebé, o qual, segundo Angela Subtil, «é muito mais do que a explicação da técnica, é um momento de partilha em que os pais vão estimular, interagir, relaxar e aliviar o bebé».

Um pormenor interessante a reter: «numa primeira abordagem, será conveniente começar pelos pés, pois é a zona que está mais desenvolvidas habituada a ser manipulada com as mudas da fralda; quando a criança já percebe que lhe estão a fazer a mas­sagem cabe aos pais decidir por onde começar». Para além disso, à medida que o bebé vai crescendo e evoluindo, a massagem deve ser constantemente adaptada.

«Durante o curso, os pais aprendem formas de irem adaptando a massagem às diferentes idades e fases do desenvolvimento do seus bebés», explica Rita Pissarra, instru­tora de Massagem Infantil pela IAIM. Nada de complicado, portanto. Patrícia Oliveira confirma: «é bastante simples de aprender e fácil de fazer. Não são precisas grandes preparações, excepto ter o quarto aquecido no Inverno, para que o bebé não arrefeça durante a massagem. Basta também um óleo vegetal, como o de sésamo ou coco, nada de muito dispendioso».

Quando fazer?

A massagem infantil pode e deve começar logo desde o nascimento. De acordo com Rita Pissara, «a mas­sagem é particularmente eficaz para ganhar peso em bebés prematuros; e para as mães com depressão pós-parto pode ser uma forma excelente de ganhar auto-confiança».

Quanto à periodicidade, a instrutora refere: «a massagem deve ser uma rotina diária, e deve haver um momento «só da massagem», com o ambiente criado ao estilo parental».

Relativamente à hora ideal, esta deverá ser identificada pelos pais: para certos bebés, a massagem a seguir ao banho, por exemplo, pode ser hiperestimulante, para outros muito relaxante, por isso varia muito de bebé para bebé, de família para família. Os pais têm de descobrir qual a melhor hora, observando qual o momento o dia em que o bebé está mais predisposto – preferencialmente o bebé deve estar no chamado "estadio de alerta tranquilo”».

Quais os benefícios?

Os beneficios da massagem do bebé são inúmeros e, de acordo com os especialistas da APMI, manifestam-se não só a nível fisológico mas também a nível emocional/comportamental, na medida em que «aumentam o vínculo pais/bebés, permitindo uma base de confiança, segurança e de aceitação emocional importante para o desen­volvimento positivo da personalidade do bebé».

Benefícios para o bebé

- Diminui as hormonas do stress, promovendo um sono mais tranquilo (favorecedor da libertação da hormona do crescimento), ao mesmo tempo que aumenta o tempo no estado «vigília tranquilo», em que o bebé está propenso a aprender e comunicar.

- Facilita a digestão e promove o alívio de cólicas, gases e obstipação, diminuindo a dor/tensão intestinal.

- Promove o aumento do fluxo de oxi­génio e, por conseguinte, de nutrientes para as células, facilitando o aumento de peso (estudos recentes apontam para um aumento de peso diário médio superior a 50% em relação a bebés não massajados).

- Fortalece o sistema imunitário, prevenindo doenças.

Beneficios para os pais

- Construção de um vínculo afectivo profundo entre pais e bebés.

- Aprendem a dar melhor resposta aos sinais do bebé (acalmá-lo, por exemplo), ganhando auto-confiança nessse novo papel de cuidadores/edu­cadores.

Onde fazer?

Espaço Maaiana
Av. Duque de Loulé, 47, 7º Dto - Lisboa
Tel.: 213 304 201 / 912 836 644
www.maaiana.pt

Centro Pré e Pós Parto
Campo Grande nº 2, R/c Dto. - Lisboa
Tel.: 217 935 064 / 912 476 177
www.preeposparto.com

Mamãs & Companhia
Rua Pedro Nunes nº 2, 2º Esq. - Lisboa
Tel.: 213 540 297
www.mamasecompanhia.pt

Texto: Fernanda Soares com Rita Pissarra (instru­tora de massagem infantil) e Angela Subtil (vice-presidente da Associação Portuguesa de Massagem Infantil)

A responsabilidade editorial desta informação é da revista

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.